Pular para o conteúdo principal

Ao Deus desconhecido



Porque, passando eu e vendo os vossos santuários, achei também um altar em que estava escrito: AO DEUS DESCONHECIDO. Esse, pois, que vós honrais, não o conhecendo, é o que eu vos anuncio. 
Atos 17:23

Deus nos dá tudo. Hoje eu refletia durante o culto sobre como e por quê é tão difícil estar perto dEle, servir a Ele do jeito como manda o figurino, digamos. um dos motivos é a separação Estado-Igreja, não que isso seja ruim, mas vejo com um pouco de negatividade pelo lado exatamente do senhorio de Deus. Ele parece estar novamente se tornando um Deus desconhecido, como Paulo declarou. Temos dificuldade de admitir algo ou alguém além do que conhecemos tendo total autoridade sobre nós; alguém que disponha totalmente de nossas vidas, que nos tem nas mãos. Ma eis o segredo, Ele bate à porta, Ele pede pra entrar. Ele não age sem que queiramos, sem que deixemos, taí o por quê de esse mundo parecer estar entregue ao caos: não está; ao mesmo tempo, Ele cuida de nós. Deus tem caminhos que não entendemos, e se não entendemos a tendência é virar as costas e inventar deuses, deusas, energias cósmicas, etc. O meu deus é o Deus desconhecido; nEle eu busco tudo, dEle eu não saio, nEle eu moro. 
Fico imaginando como seria no tempo em que deus se fazia ouvir claramente pelo ser humano, falava direto com ele, conosco. E como ou por que após JC, tudo isso mudou. Acho que Deus respeita as eras; como sabia que teríamos tecnologia e tals, talvez a voz dEle não fizesse mais sentido ou surtisse o mesmo efeito. Mas creio que chegamos numa era de tanta incredulidade de um lado e crédito total no ser humano de outro que acho que Sua voz teria grande efeito. E Sua volta também. Nosso desafio consiste em fazer o máximo de pessoas crerem nisso, crerem nEle. Grandíssimo desafio quando a nossa época considera muito mais informados e lúcidos os ateus, os que agem com total racionalidade. Sinto falta de uma época que não vivi; época decerto muito mais difícil do que a minha: sem eletricidade, isso resume tudo. Mortes cruéis, medicina sem anestesia... Graças a Ele pelo nosso desenvolvimento, mas a que preço? degradação e morte, basicamente. Sinto falta sobretudo de Deus. Quem sabe esse sentimento não seja o caminho pra chegar mais perto. Amém.
Ontem dormi a tarde toda, arrumei a cozinha. Ter uma casa não é fácil, parece que tudo está sujo todo dia. A bebê mexe bastante. Quando eu estou caminhando, ela fica quieta; quando eu paro, ela começa. Às vezes dá vontade de ter ela de uma vez aqui, ver como ela é, como vai ser; às vezes ainda me assusto com a gravidez, estado tão e totalmente novo. E dizem que a mulher grávida fica mais bonita... bom, só se for de espírito, porque me sinto inchada e feia, e ainda sem muito ânimo para me arrumar. Ah, roupas estão difíceis! calças jeans nem pensar e nem quero comprar novas porque depois perco. O que descobri é que leggings e uma blusa mais comprida ou batas ficam perfeitas, vou precisar comprar essas coisas que me servirão ainda depois. E ainda penso em fazer um book por ocasião do meu aniversário, mas não sei, talvez eu esteja gorda demais até lá, inchada, não sei. Mas gostaria de fazer, só que não seria aquela coisa bobinha de sorrisinho pra lá, barriguinha e beijinho pra cá, queria algo mais rock'n'roll =/ 
Só sei que preciso da proteção dEle porque aqui em Viçosa vou ter que parir minha filha no hospital que num tem muito boa fama, mas é o único que comporta uma maternidade. O/A médico/a que irá realizar o parto será o que estiver de plantão e não a minha GO, ou seja, será alguém que NÃO me acompanhou desde o início. Senhor, help me please! bye :)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fase do não

Lídia tem me dito muito não ultimamente. E haja paciência para lidar com isso! Uma mulher que trabalha, tem casa, marido e uma filhinha pequena realmente tem problemas com ser paciente. Tudo que envolve ser uma boa mãe fica ameaçado quando não se pode dedicar-se à criança integralmente. E toda mãe tem, de dois, um dos sonhos: poder dedicar-se integralmente ao seu rebento ou sair para trabalhar sem sentir-se culpada. O primeiro ainda é possível de conseguir para algumas afortunadas; já o segundo... Bem vinda ao mundo da maternidade!

Bom, os nãos da Lídia só não são mais problemáticos porque sua alegria impera e nos contagia. Ainda bem que já estou de "férias" (duas semaninhas de julho) e posso acompanhar melhor a pequena com toda sua cantoria, obra da escolinha e dos videos da galinha pintadinha. Além da galinácea, no menu temos Peppa Pig, O show da Luna, Mundo Disney e por aí vai. Na festa da família na escolinha, a professora bem que tentou fazer os pequenos falarem os ver…

Personas

O top virou peça de dormir. O shortinho de academia, bem, uso em casa mesmo. A disposição pra levantar de manhã cedo e ir caminhar depois de colocar a filhotinha na van se foi, preciso dormir mais, obra do cansaço. Qualquer roupa tá bom. Me arrumar? Quando dá. Se der, deu, se não der, paciência.

Em pleno dia do rock, o dia foi pauleira mesmo. Muita prova de recuperação, aluno enchendo por causa de pontos, ter que manter a todo custo o aluno em sala de aula fazendo alguma coisa, ufs! Conselho de classe e entrega de notas foram pra agosto, thanks God! Mas o dia deixou suas marcas. Uma forte dor de cabeça me tomou desde cedo, tomei um remédio - sim, automediquei-me - e passou, mas me deixou um tanto ligada o comprimido marrom que contém cafeína.

Não tenho tempo para mim, mas tento. Estou fazendo um curso online de musicoterapia e a música é minha melhor terapia. canto mal, mas espanta mesmo os males! Não é fácil conciliar todas as personas: mulher, mãe, professora, esposa, dona de casa,…

Primeira postagem 2016

Nem me dei conta de que hoje foi sábado. Os dias aqui, para mim, passam como se fosse uma coisa só: todo dia, "nada" pra fazer - ócio criativo, talvez, apesar de que não tenho criado nada. Mas tenho visto e lido de um tudo: muitos filmes (Império, Transcendence, Mad Max, etc) e alguns livros (Conto de Natal, de Charles Dickens e sobretudo a Bíblia). Ganhei a Bíblia da Mulher e tenho me alimentado bem dela.
esqueci de pegar foto no face
Viajar pra casa dos pais é voltar ao passado infantil. É bom e mau ao mesmo tempo, nos deparamos sempre com algumas mágoas, algumas falhas, alguns concertos. Certas relações a gente não entende porque é do outro; briga, chora, grita, se enraivece e, por fim - maturidade! - aceita e toca o barco.
Tem chovido bem em Sampa. Hoje a água caiu mesmo. Minha mãe e irmã viajaram pra Goiás. E eu cá estou com a minha moreninha, esperando a boa vontade do governo estadual pra voltar pra Bh. Na verdade faremos uma ponte Viçosa-BH. É bom viajar a sós, só co…