Pular para o conteúdo principal

Ao Deus desconhecido



Porque, passando eu e vendo os vossos santuários, achei também um altar em que estava escrito: AO DEUS DESCONHECIDO. Esse, pois, que vós honrais, não o conhecendo, é o que eu vos anuncio. 
Atos 17:23

Deus nos dá tudo. Hoje eu refletia durante o culto sobre como e por quê é tão difícil estar perto dEle, servir a Ele do jeito como manda o figurino, digamos. um dos motivos é a separação Estado-Igreja, não que isso seja ruim, mas vejo com um pouco de negatividade pelo lado exatamente do senhorio de Deus. Ele parece estar novamente se tornando um Deus desconhecido, como Paulo declarou. Temos dificuldade de admitir algo ou alguém além do que conhecemos tendo total autoridade sobre nós; alguém que disponha totalmente de nossas vidas, que nos tem nas mãos. Ma eis o segredo, Ele bate à porta, Ele pede pra entrar. Ele não age sem que queiramos, sem que deixemos, taí o por quê de esse mundo parecer estar entregue ao caos: não está; ao mesmo tempo, Ele cuida de nós. Deus tem caminhos que não entendemos, e se não entendemos a tendência é virar as costas e inventar deuses, deusas, energias cósmicas, etc. O meu deus é o Deus desconhecido; nEle eu busco tudo, dEle eu não saio, nEle eu moro. 
Fico imaginando como seria no tempo em que deus se fazia ouvir claramente pelo ser humano, falava direto com ele, conosco. E como ou por que após JC, tudo isso mudou. Acho que Deus respeita as eras; como sabia que teríamos tecnologia e tals, talvez a voz dEle não fizesse mais sentido ou surtisse o mesmo efeito. Mas creio que chegamos numa era de tanta incredulidade de um lado e crédito total no ser humano de outro que acho que Sua voz teria grande efeito. E Sua volta também. Nosso desafio consiste em fazer o máximo de pessoas crerem nisso, crerem nEle. Grandíssimo desafio quando a nossa época considera muito mais informados e lúcidos os ateus, os que agem com total racionalidade. Sinto falta de uma época que não vivi; época decerto muito mais difícil do que a minha: sem eletricidade, isso resume tudo. Mortes cruéis, medicina sem anestesia... Graças a Ele pelo nosso desenvolvimento, mas a que preço? degradação e morte, basicamente. Sinto falta sobretudo de Deus. Quem sabe esse sentimento não seja o caminho pra chegar mais perto. Amém.
Ontem dormi a tarde toda, arrumei a cozinha. Ter uma casa não é fácil, parece que tudo está sujo todo dia. A bebê mexe bastante. Quando eu estou caminhando, ela fica quieta; quando eu paro, ela começa. Às vezes dá vontade de ter ela de uma vez aqui, ver como ela é, como vai ser; às vezes ainda me assusto com a gravidez, estado tão e totalmente novo. E dizem que a mulher grávida fica mais bonita... bom, só se for de espírito, porque me sinto inchada e feia, e ainda sem muito ânimo para me arrumar. Ah, roupas estão difíceis! calças jeans nem pensar e nem quero comprar novas porque depois perco. O que descobri é que leggings e uma blusa mais comprida ou batas ficam perfeitas, vou precisar comprar essas coisas que me servirão ainda depois. E ainda penso em fazer um book por ocasião do meu aniversário, mas não sei, talvez eu esteja gorda demais até lá, inchada, não sei. Mas gostaria de fazer, só que não seria aquela coisa bobinha de sorrisinho pra lá, barriguinha e beijinho pra cá, queria algo mais rock'n'roll =/ 
Só sei que preciso da proteção dEle porque aqui em Viçosa vou ter que parir minha filha no hospital que num tem muito boa fama, mas é o único que comporta uma maternidade. O/A médico/a que irá realizar o parto será o que estiver de plantão e não a minha GO, ou seja, será alguém que NÃO me acompanhou desde o início. Senhor, help me please! bye :)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…