Pular para o conteúdo principal

Incinta


Não sou do tipo desapegada, nem agora que sou/estou mãe: ainda tenho meus sentimentos e sonhos individuais, independentes do bebê, que agora estão guardados, adiados, não esquecidos. Doídos, ainda mais o de ir ao exterior. tem um amigo que vai pela segunda vez. Não sei, para algumas pessoas, parece tao fácil. Eu tenho os meus contras pra ir: idade, grana e agora, my baby. Estou vivendo tomando conta da alimentação e de tudo mais por ele/a, mas não penso em deixar tudo pra lá pra que ele/a realize os próprios sonhos. Ele/a vai realizá-los, estarei aqui sempre, mas não gosto da ideia de me anular, como minha mãe o fez. Ela queria ser missionária e professora e, por mais que eu, sua filha, seja agora professora, não é a mesma coisa. Ela se emocionou na minha formatura, ficou feliz comigo. Não sei se ela ficou assim, mas eu ficaria pensando que poderia ser eu. Não gosto da ideia de anulação em prol do outro porque já fiz muito isso e, ainda que não declaremos abertamente, esperamos algo em troca que nem sempre vem. Aí a frustração é grande. Estou nessa de horror agora, pensando em fazer tudo pelo meu/minha filho/a  e aguardar que ele/a ao menos seja agradecido e... esperar o melhor dos outros é temerário. Além de ter aprendido a ser uma profissional reflexiva, tenho sido uma mãe reflexiva, ainda que involuntariamente. E a intuição está se afiando, só preciso dar mais ouvidos a ela, como (não) aconteceu ontem. Antes de sair de casa, ainda de manhã cedo, pensei em levar o meu cartão de gestante. Mas não levei e à noite precisei dele porque o namorido foi me buscar, aí contei que o bebê não tinha mexido desde a noite anterior e fomos ao hospital. Baby costuma mexer bastante e ficamos preocupados, mas estava tudo bem. Agora é partir para o próximo ultrassom, que é o morfológico e precisa ser feito logo. Acaba que marcamos no particular. Casar e ter filhos é coisa das mais caras. E quando a gente é meio que empurrado a isso, não tem muito como fugir. O médico me deu dois dias de atestado pra repousar, mas parece que não é muito isso que farei. Agora sei pelo que minha mãe passou quando me esperou pelos nove meses - e eu quase fiquei mais. Sinto muitas dores nas costas, na coluna, desânimo, cansaço. Tenho estado sem inspiração, o poema me foge, as palavras não vêm. O/A bebê puxa bem minhas energias e atenção e eu tenho sentimentos confusos, dúbios. Ontem ouvi o coraçãozinho dele/a de novo e nesses momentos é que percebo realmente que estou grávida. Pregnant. Embarazada. Schwanger. Incinta. Gravide. 
O que me impressiona mais é que mantenho todos os meus gostos, menos por doces: sou uma formiga desde o nascimento mas atualmente não tenho dado muita importância a doces. Gostos mantidos são os estresses do passado, o musical, a minha adolescência sempre tardia onde me refugio. Todos temos e temos que ter um lugar de refúgio, lugar concreto, lugar mental, um lugar qualquer. Um lugar pra fugir de si mesmo, do dia a dia, dos sentimentos que nunca passam, ainda que o tempo passe. Bom dia. 

Comentários

Vanessa Santos disse…
Precisamos de um teto todo nosso! Seja abstrato ou concreto.
Me faz uma visita?
http://mardeletras2010.blogspot.com.br/2013/07/ceu-e-inferno-na-terra-do-sol.html?showComment=1375371034376#c2303677668888386570

Postagens mais visitadas deste blog

A fase do não

Lídia tem me dito muito não ultimamente. E haja paciência para lidar com isso! Uma mulher que trabalha, tem casa, marido e uma filhinha pequena realmente tem problemas com ser paciente. Tudo que envolve ser uma boa mãe fica ameaçado quando não se pode dedicar-se à criança integralmente. E toda mãe tem, de dois, um dos sonhos: poder dedicar-se integralmente ao seu rebento ou sair para trabalhar sem sentir-se culpada. O primeiro ainda é possível de conseguir para algumas afortunadas; já o segundo... Bem vinda ao mundo da maternidade!

Bom, os nãos da Lídia só não são mais problemáticos porque sua alegria impera e nos contagia. Ainda bem que já estou de "férias" (duas semaninhas de julho) e posso acompanhar melhor a pequena com toda sua cantoria, obra da escolinha e dos videos da galinha pintadinha. Além da galinácea, no menu temos Peppa Pig, O show da Luna, Mundo Disney e por aí vai. Na festa da família na escolinha, a professora bem que tentou fazer os pequenos falarem os ver…

Personas

O top virou peça de dormir. O shortinho de academia, bem, uso em casa mesmo. A disposição pra levantar de manhã cedo e ir caminhar depois de colocar a filhotinha na van se foi, preciso dormir mais, obra do cansaço. Qualquer roupa tá bom. Me arrumar? Quando dá. Se der, deu, se não der, paciência.

Em pleno dia do rock, o dia foi pauleira mesmo. Muita prova de recuperação, aluno enchendo por causa de pontos, ter que manter a todo custo o aluno em sala de aula fazendo alguma coisa, ufs! Conselho de classe e entrega de notas foram pra agosto, thanks God! Mas o dia deixou suas marcas. Uma forte dor de cabeça me tomou desde cedo, tomei um remédio - sim, automediquei-me - e passou, mas me deixou um tanto ligada o comprimido marrom que contém cafeína.

Não tenho tempo para mim, mas tento. Estou fazendo um curso online de musicoterapia e a música é minha melhor terapia. canto mal, mas espanta mesmo os males! Não é fácil conciliar todas as personas: mulher, mãe, professora, esposa, dona de casa,…

Primeira postagem 2016

Nem me dei conta de que hoje foi sábado. Os dias aqui, para mim, passam como se fosse uma coisa só: todo dia, "nada" pra fazer - ócio criativo, talvez, apesar de que não tenho criado nada. Mas tenho visto e lido de um tudo: muitos filmes (Império, Transcendence, Mad Max, etc) e alguns livros (Conto de Natal, de Charles Dickens e sobretudo a Bíblia). Ganhei a Bíblia da Mulher e tenho me alimentado bem dela.
esqueci de pegar foto no face
Viajar pra casa dos pais é voltar ao passado infantil. É bom e mau ao mesmo tempo, nos deparamos sempre com algumas mágoas, algumas falhas, alguns concertos. Certas relações a gente não entende porque é do outro; briga, chora, grita, se enraivece e, por fim - maturidade! - aceita e toca o barco.
Tem chovido bem em Sampa. Hoje a água caiu mesmo. Minha mãe e irmã viajaram pra Goiás. E eu cá estou com a minha moreninha, esperando a boa vontade do governo estadual pra voltar pra Bh. Na verdade faremos uma ponte Viçosa-BH. É bom viajar a sós, só co…