Pular para o conteúdo principal

Nós


(Domingo, 18/08) Hoje teve lasanha e sorvete por aqui. Ganhei uns três quilos de uma vez só no mês passado, o que, segundo a nutricionista, não é muito bom. Aí eu venho tentando maneirar e o namorido come, come e come e eu acabo indo na onda dele. A bebê vai bem e já responde se falo com ela e mexo na barriga. repito seu nome às vezes, pra ver se soa bem. Até pensei em dar meu próprio nome a ela, como o fazem tantos pais aos filhos; sendo mãe, à minha filha, porque não? Mas pensei bem e ...não, melhor não. Lídia: do grego, irmã, amiga, companheira, mulher nascida na Lídia, antiga região da Ásia Menor. Cristina: do grego, a ungida. Em casa somente eu não tenho nome composto, até o namorido tem, Bruno Henrique. Estou com o pedido do teste de glicose em mãos, dizem que é terrível, altamente enjoativo, mas necessário para detectar uma possível diabetes. Ontem recebi a visita de uma tia-prima da minha Lídia e ganhei mais um par de sapatinhos de crochê, um rosa. Já tenho um verde e um vermelho. Ainda vou comprar um laranja que ando namorando há muito tempo, mesmo antes de saber que estava grávida. Grávida. Ainda preciso repetir e mentalizar isso pra ver que é real, e tudo se torna mais concreto só nos ultrassons e o será ainda mais em novembro, dia 12, ou 15 ou antes, enfim, quando ela estiver aqui.
Tenho muito sono, muito cansaço e muita coisa a fazer. Não está fácil, mas já estou indo pra reta final, ainda sem férias, sem licença-maternidade. Sem muito ânimo. talvez falte mais envolvimento emocional com tudo isso. Hoje mesmo ouvi o choro estridente de uma criança e pensei na minha pouca paciência para aturar isso. Talvez tudo mude quando ela nascer, espero que sim. Com disse uma mãe-blogueira, a nossa vida é ab, db: antes do bebê e depois do bebê. Mudanças grandes assim nem sempre a gente quer, mas elas vêm. E tanta coisa pra arrumar! Chá de bebê, enxoval, mala da maternidade, e aqui em Viçosa somente um dos hospitais faz o serviço, não se tem muita escolha.
Assistindo as Crônicas de Nárnia, vejo Deus em Aslam. Não sei se tenho algum tipo de dom, mas consigo senti-lo em coisas do tipo um filme. Não sou sensitiva nem nada, apenas sei que Ele está sempre por aqui, always around. É por isso que eu estou aqui também, por isso eu continuo.


(Hoje, 21/08) Hoje faz 11 meses que estamos juntos, eu e namorido. Morar junto nem foi tão traumático ou diferente assim, já estávamos acostumados à presença constante um do outro. Foi algo natural, e está sendo natural essa relação. Eu não conseguiria encarar uma gravidez sozinha, solteira. Não sei como há mulheres que querem produção independente, seria pesado pra mim. Nossa filha está ganhando muitas coisas e assim vamos caminhando. Parece que muita coisa na nossa vida vai "acontecendo"; tem escolhas, conscientes ou não e tem horas que a gente se pega em alguma situação e nem lembra como foi parar lá. Mas eu lembro de todos os passos desses 11 meses juntos. Congratulations for us! :)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…

Homens marinheiros

Marinheiro - Adriana Calcanhotto



O meu amor me deixou
levou minha identidade
não sei mais bem onde estou
nem onde há realidade

Ah, se eu fosse marinheiro
era eu quem tinha partido
mas meu coração ligeiro
não se teria partido

ou se partisse colava
com cola de maresia
eu amava e desamava
surpreso e com poesia

ah se eu fosse marinheiro
seria doce meu lar
não só o Rio de Janeiro
a imensidão e o mar

leste oeste norte sul
onde o homem se situa
quando o sol sobre o azul
ou quando no mar a lua

não buscaria conforto
nem juntaria dinheiro
um amor em cada porto

Ah se eu fosse marinheiro..
não pensaria em dinheiro
um amor em cada porto..
Ah se eu fosse marinheiro..

O meu amor me deixou,
levou minha identidade
nao sei mais bem onde estou
nem onde ha realidade

Ah, se eu fosse marinheiro
era eu quem tinha partido
mas meu coração ligeiro
nao se teria partido
ou se partisse colava
com cola de maresia

Homens são marinheiros, trabalhadores de um dia que vêm ,aportam, conquistam, usam, amam por uma noite e se vão…