Pular para o conteúdo principal

She's all

(Quarta, 14 de agosto) Parto. Barriga. Fome. Chutes. Cansaço. Variação de humor. Amor. Beijo. Tosse excessiva. Noites (já) mal dormidas. Ultrassom, exames. Menina. Girl. muita coisa acontecendo, mudando. E eu sempre lendo histórias de partos e de direitos humanos que me impressionam. Não sei, as pessoas são estranhas. E diante de tantas histórias que nos incomodam de uma certa maneira, a tendência é mesmo se afastar e preocupar-se somente com o próprio umbigo. Mas em relação a filhos, não podemos deixar pra lá, fechar os olhos pra nada. vai ter hora em que ficarão sós com outras crianças, com outros adultos, com parentes, com irmãos. A maldade humana é tanta que precisamos ser "maldosos" também, olho aberto. problema que ás vezes a gente cria o filho numa bolha. Ai, a maternidade... difícil. Minha gravidez está até tranquila, fora essa neuras que a gente cria mesmo. A bisavó dela está aqui esses dias e deu um presentinho pra ela, um macacão rosa com a tiarinha também rosa. Gosto de rosa, mas ainda bem que tenho coisinhas de outras cores. Também nem quero furar a orelinha dela, não vou ter coragem de ver e nem das vacinas, que sei serem necessárias. A pessoinha mal chega nesse mundo e já vai sofrendo dores físicas. Fiquei vendo fotos dos meus sobrinhos hoje e inclusive comparando uma minha bebê com uma do namorido. Ela parece com ele, viu...
Enfim, é ela. É ela com todas as implicações que essa definição traz. É ela com todo amor e todos os medos e perigos. É ela porque tinha que ser, porque Deus a quis. Pra ela:


(Quinta, 15 de agosto) Baixei essa música recentemente e não sabia que era tão antiga, data de 1964. Tocou no filme "Meu primeiro amor", que é lindo. E na linha de filmes de meninas, me lembro de "Little Miss Sunshine", dois filmes que minha pequena deverá ver, além de todos aqueles contos de fadas bobinhos e lindos, A Bela e a Fera, A Bela adormecida, Branca de Neve, Rapunzel, Enrolados (versão mais moderna de Rapunzel), A pequena sereia, Cinderela, a princesa Odete, e todas as animações modernas, e... é muita coisa que a gente pensa pro próprio filho, sendo que ele deverá ter seus gostos próprios. Muita coisa que a gente quer mostrar, quer ser o primeiro a levar nesse ou naquele lugar, quer passar tudo que sabe, quer ser exemplo a seguir. Quer tanta coisa e é bom também saber e ficar na expectativa de quem ela será, como será em todos os aspectos. 
Hoje fomos fazer umas compras e o dinheiro que era bom ficou pouco. Imaginei na hora como será, então, quando ela estiver já aqui com a gente. Rindo, brincando, chorando, reclamando, xingando ou agradecendo. Brigando ou querendo colo. Se machucando, vendo TV, mexendo no seu FB, na net. Perguntando por que isso, por que aquilo. Me chamando de mãe :)
O dia amanheceu frio e chuvoso, acaba que não fui cumprir meus horários no departamento. Senti muitas dores hoje, foram mais de cansaço e intestinais, além das pernas... Ela cresce enquanto eu sofro o dano. Até pensei que poderia estar adiantando a chegada, mas acho que não. Lídia virá entre 12 e 15 de novembro, isso se não for um pouco antes. Fico querendo logo, mas também dá medo. Do parto, de tudo. Todas aquelas palavrinhas do início running through my head... God blesses us, bye!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…