Pular para o conteúdo principal

Angústia




Mas a salvação dos justos vem do Senhor; ele é a sua fortaleza no tempo da angústia.


Ontem mesmo conversávamos sobre os mais pobres da família. Incrivelmente, o pai dele e os meus pais sãos os mais pobres de cada família e nós também. Se bem que dos meus irmãos, estamos todos no mesmo barco e às vezes acho que não vou muito além do que já consegui. Engraçado, parece que certas pessoas simplesmente não andam sem empurrão de todas as espécies e sempre serão o primo pobre da família. Isso é frustrante...
Às vésperas de tirar férias - enfim, meu Pai! - me sinto desértica. Essa semana vai ser punk, até sexta-feira, quando um alívio deve se dar, assim seja. 
Ao contrário do que pensei, não tem ninguém na minha cola me dizendo que gravidez é assim e assim e assado, tampouco me dando conselhos. Novamente, me sinto desértica, ilhada. Sinto falta da minha mãe pra perguntar coisas como: eu demorei muito para nascer? doeu muito? em quanto tempo vc saiu da maternidade comigo? eu era do tipo chorona ou mais quieta? a amamentação foi de boa ou teve algum problema? Eu podia perguntar isso a outra pessoa, mas como a genética manda, pode ser que minha bebê seja parecida comigo e/ou com o pai nesses aspectos. Minha mãe abriu mão do trabalho pra cuidar de mim e dos meus irmãos, o que não acho que foi uma opção muito inteligente, já que nunca pertencemos ao grupo dos que tem esse privilégio da escolha. Mas enfim ela o fez... eu não sei o que fazer sobre isso. Não quero parar de trabalhar, de ser independente. Ao mesmo tempo deixar um bebê com quem quer que seja me incomoda. COM QUEM QUER QUE SEJA.
Férias, logo após licença maternidade... e ano que vem, mudar pra BH? É, ainda é dúvida, visto que, novamente, passei no concurso de lá mas não dentro das vagas, pelo contrário, beeeeeeeeeeeem aquém das vagas... Oh céus, será que eu nunca vou passar pra assumir realmente o cargo? Nessa "brincadeira" de concurso, é R$50 daqui, R$120 dali, o governo só embolsando. Perdi o concurso de literatura, que me daria 50.000 e reconhecimento. Perdi o semestre letivo na UFV. Perdi a chance de ir pro exterior, mas isso faz tempo. Perdi muita chance de ter falado e fiquei calada e até hoje, não importa quanto tempo passe e em que situação, fico imaginando o que teria acontecido se eu tivesse dito isso ou aquilo outro... Mas não disse, ponto. Céus, ainda penso por que... angústia. 
O desânimo é quase que incontrolável. Penso que rumo profissional posso tomar, tenho ideias mas nenhum capital e nenhuma ideia de como e por onde começar. E essa desertidão, secura de poesia, não escrevo há meses, só os textos daqui. A minha vida própria de repente ficou pra trás... É preciso não me deixar abater ao ponto da depressão, mas ela nunca mais voltou, graças ao Pai. Tudo está nas mãos dEle. Amém, bye. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Cabana

Estreando essa Coluna de quinta, vou falar sobre o filme A Cabana (The Shack). Demorei um bocado para falar sobre o filme, minha vontade quando assisti o filme foi sair dali e correr pra fazer uma resenha linda, elogiando altamente o filme. Porém ponderei e deixei a emoção esfriar. A maioria dos cristãos, os mais estudados, está fazendo duras críticas ao filme. Este vídeo é bem interessante e prova disso. Não discordo dele em muita coisa, porém em algumas coisas discordo e vou explicar o meu ponto de vista. O MEU ponto de vista. Este outro vídeo já fala bem, levando em consideração apenas a mensagem geral do filme: que Deus deseja ter um relacionamento pessoal com cada um de nós. E isso, para nós cristãos, é um fato.

Desde que li o livro e soube do projeto do filme, porque já havia a ideia de transformá-lo em filme, fiquei na expectativa do filme. Confesso que quando leio, não consigo visualizar bem o que está escrito, e um filme me ajuda muito. Aí saiu e qual não foi a surpresa quan…

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…