Pular para o conteúdo principal

Reta final


As retas finais das coisas me deixam ansiosa. Apreensiva. estou com a mesma sensação que tive quando estava no final da graduação, não tinha certeza que realmente terminaria a monografia, apesar de que se tal acontecesse, eu ficaria em prantos. Portanto, me desdobrei em dias e noites sem dormir o suficiente para terminá-la, sem sair, sem diversão, sem nada. Estava totalmente focada nela, na graduação, no meu grand finale. Na verdade, não foi assim com a gravidez. Agora nessa reta final é que comecei a me concentrar nela, mesmo porque minhas devidas férias enfim chegaram - do trabalho e da universidade - e ainda terei a licença-maternidade logo em seguida. Enfim, parece que o universo conspira a favor da minha gravidez, para que eu lhe dê a devida atenção. Não que não me cuide, mas sou bem tranquila. Estou tomando as vitaminas receitadas, indo sempre ao médico fazer o acompanhamento, fazendo exames daqui e dali, tanto que meus braços já foram picados algumas vezes para coleta de sangue. O que me entristece ou irrita um pouco é tudo que ainda tenho que comprar, parece que o dinheiro, mal chegando, já vai voar no vendaval: berço e banheira, sobretudo. Ganhei carrinho, algumas roupinhas, sapatinhos, mas ainda falta muito. E então, junto com o período livre, vem a ansiedade pra comprar tudo que falta, pra organizar chá, pra cuidar dela, da bebê Lídia. Será que vou conseguir? Choro de bebê me irrita muito, mas eu amo pegar bebês no colo, são umas coisinhas muito fofas. Claro, o dos outros. Quando é nosso ... nem sei, tudo ainda é novidade.
Ela mexe bastante, às vezes até dá pra ver a barriga ondulando, pulando. Já desde o ventre troca o dia pela noite, mas não me atrapalha o sono não. tem dia que quero logo ver o rostinho dela, saber como vai ser... tem dia que só penso na dor do parto. Penso que logo vou ter uma criança me chamando de mã, mama, mãe... E, como no dia da minha colação de grau, devo chorar ao vê-la logo depois do parto; devo ficar aérea, lesada, e não querer passá-la para nenhum outro colo. É minha!
Só não queria abandonar ou fingir que estou deixando pra depois os planos. Tenho a impressão de que esse depois não virá. Confesso que minha fé é bem limitada em relação a milagres e aquisição de coisas e sonhos... Tenho plena fé em Deus e em tudo que a Bíblia diz, mas fraquejo no que diz respeito à minha vida. No fundo, parece que sou um Tomé, mas creio sem ver, só não consigo visualizar coisas grandiosas. Tipo sair do país um dia, ir a Londres, e não me preocupar tanto com as finanças. Porque sonhar não faz mal. Bye :)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…