Pular para o conteúdo principal

Expectativas


Todo ano, seja em outubro ou dezembro, natal, guardo ainda aquela expectativa infantil: a do bolo, do presente, da festa, das pessoas sorrindo, felizes porque eu estou lá, feliz também, por mais um ano, por mais um natal... Guardo ainda a vontade de bolo infantil, brigadeiro, presentes bem embalados, brincadeiras, parabéns, happy birthday, q=com quem será, etc. Vontade reprimida, claro, pois todos quando crescemos somos impelidos a internalizar a criança que ficou pra trás, com traumas e tudo. Ser adulto é receber essa mensagem de si mesmo e dos outros: se vire, supere, continue bem ou mal. Mas a criança anda batendo à minha porta avora, ainda mais porque vou ser mãe: estou fragilizada e lembro da minha infância. Da barbie usada que ganhei já tardiamente, e outros brinquedos usados, uns poucos novos, a expectativa de presentes que nunca vieram, promessa feitas e nunca cumpridas pelos adultos. É bom lembrar disso pra que eu não cometa o mesmo erro. Por mais que cresçamos e superemos, a marca fica, a lembrança da dor. Tenho muitas, umas porque os outros erraram comigo, outras porque eu era uma das crianças mais tímidas do mundo, e isso a sociedade não perdoa, ainda mais em adultos. Timidez, traço de personalidade, ainda tenho. Claro que com toda a experiência de uma vida, aprendemos a nos comunicar, a falar, a agir nesse mundo. Mas aquele dom de ainda se constranger com coisas e situações tidas como comuns é muito nosso, dos tímidos. A capacidade de pensar em coisas brilhantes que poderiam ter sido ditas em um determinado momento e não o forma... e essas coisas brilhantes vindo sempre minimamente uns 10 anos depois, oh capacidade! A habilidade de estar com ódio de alguém e agir com total sangue de barata, sem explodir, ainda que amaldiçoando internamente até a décima geração dessa pessoa; a capacidade de remoer, do orgulho, de se achar melhor ainda que não dando o mínimo sinal disso, de ter respostas certas e prontas e nunca conseguir usá-las na hora que é pra usar, pra falar... ah, ninguém entende a agonia de um tímido autêntico. professora tímida? Totalmente. A incapacidade quase que total de comunicação fluente sem gaguejar, ah... nós, os tímidos. Ou vagotônicos, como diria Vinícius de Moraes. Aliás, ele completa centenário agora, não sei que dia e se de morte ou nascimento. Ah, minha outra agonia - a de uma vida inteira - é a desvalorização da literatura. Estou viva e poetizo, mas quem sabe, quem nota, quem gosta? Já tentei a prosa, mas nunca passei de um conto, não flui. Fadada estou ao reconhecimento póstumo. Pesquisava esses dias sobre publicação de livro, que não é difícil, porém seria publicação, distribuição entre família e amigos e vender o restante, ponto. Não... e a minha carreira literária? Porque ainda sonho. Ah, expectativas que se assemelham às da infância... Adultos não ligam pra isso e talvez eu seja das poucas que liga.
Feliz dia das crianças, assim, adiantado. :)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…