Pular para o conteúdo principal

Expectativas


Todo ano, seja em outubro ou dezembro, natal, guardo ainda aquela expectativa infantil: a do bolo, do presente, da festa, das pessoas sorrindo, felizes porque eu estou lá, feliz também, por mais um ano, por mais um natal... Guardo ainda a vontade de bolo infantil, brigadeiro, presentes bem embalados, brincadeiras, parabéns, happy birthday, q=com quem será, etc. Vontade reprimida, claro, pois todos quando crescemos somos impelidos a internalizar a criança que ficou pra trás, com traumas e tudo. Ser adulto é receber essa mensagem de si mesmo e dos outros: se vire, supere, continue bem ou mal. Mas a criança anda batendo à minha porta avora, ainda mais porque vou ser mãe: estou fragilizada e lembro da minha infância. Da barbie usada que ganhei já tardiamente, e outros brinquedos usados, uns poucos novos, a expectativa de presentes que nunca vieram, promessa feitas e nunca cumpridas pelos adultos. É bom lembrar disso pra que eu não cometa o mesmo erro. Por mais que cresçamos e superemos, a marca fica, a lembrança da dor. Tenho muitas, umas porque os outros erraram comigo, outras porque eu era uma das crianças mais tímidas do mundo, e isso a sociedade não perdoa, ainda mais em adultos. Timidez, traço de personalidade, ainda tenho. Claro que com toda a experiência de uma vida, aprendemos a nos comunicar, a falar, a agir nesse mundo. Mas aquele dom de ainda se constranger com coisas e situações tidas como comuns é muito nosso, dos tímidos. A capacidade de pensar em coisas brilhantes que poderiam ter sido ditas em um determinado momento e não o forma... e essas coisas brilhantes vindo sempre minimamente uns 10 anos depois, oh capacidade! A habilidade de estar com ódio de alguém e agir com total sangue de barata, sem explodir, ainda que amaldiçoando internamente até a décima geração dessa pessoa; a capacidade de remoer, do orgulho, de se achar melhor ainda que não dando o mínimo sinal disso, de ter respostas certas e prontas e nunca conseguir usá-las na hora que é pra usar, pra falar... ah, ninguém entende a agonia de um tímido autêntico. professora tímida? Totalmente. A incapacidade quase que total de comunicação fluente sem gaguejar, ah... nós, os tímidos. Ou vagotônicos, como diria Vinícius de Moraes. Aliás, ele completa centenário agora, não sei que dia e se de morte ou nascimento. Ah, minha outra agonia - a de uma vida inteira - é a desvalorização da literatura. Estou viva e poetizo, mas quem sabe, quem nota, quem gosta? Já tentei a prosa, mas nunca passei de um conto, não flui. Fadada estou ao reconhecimento póstumo. Pesquisava esses dias sobre publicação de livro, que não é difícil, porém seria publicação, distribuição entre família e amigos e vender o restante, ponto. Não... e a minha carreira literária? Porque ainda sonho. Ah, expectativas que se assemelham às da infância... Adultos não ligam pra isso e talvez eu seja das poucas que liga.
Feliz dia das crianças, assim, adiantado. :)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fase do não

Lídia tem me dito muito não ultimamente. E haja paciência para lidar com isso! Uma mulher que trabalha, tem casa, marido e uma filhinha pequena realmente tem problemas com ser paciente. Tudo que envolve ser uma boa mãe fica ameaçado quando não se pode dedicar-se à criança integralmente. E toda mãe tem, de dois, um dos sonhos: poder dedicar-se integralmente ao seu rebento ou sair para trabalhar sem sentir-se culpada. O primeiro ainda é possível de conseguir para algumas afortunadas; já o segundo... Bem vinda ao mundo da maternidade!

Bom, os nãos da Lídia só não são mais problemáticos porque sua alegria impera e nos contagia. Ainda bem que já estou de "férias" (duas semaninhas de julho) e posso acompanhar melhor a pequena com toda sua cantoria, obra da escolinha e dos videos da galinha pintadinha. Além da galinácea, no menu temos Peppa Pig, O show da Luna, Mundo Disney e por aí vai. Na festa da família na escolinha, a professora bem que tentou fazer os pequenos falarem os ver…

Personas

O top virou peça de dormir. O shortinho de academia, bem, uso em casa mesmo. A disposição pra levantar de manhã cedo e ir caminhar depois de colocar a filhotinha na van se foi, preciso dormir mais, obra do cansaço. Qualquer roupa tá bom. Me arrumar? Quando dá. Se der, deu, se não der, paciência.

Em pleno dia do rock, o dia foi pauleira mesmo. Muita prova de recuperação, aluno enchendo por causa de pontos, ter que manter a todo custo o aluno em sala de aula fazendo alguma coisa, ufs! Conselho de classe e entrega de notas foram pra agosto, thanks God! Mas o dia deixou suas marcas. Uma forte dor de cabeça me tomou desde cedo, tomei um remédio - sim, automediquei-me - e passou, mas me deixou um tanto ligada o comprimido marrom que contém cafeína.

Não tenho tempo para mim, mas tento. Estou fazendo um curso online de musicoterapia e a música é minha melhor terapia. canto mal, mas espanta mesmo os males! Não é fácil conciliar todas as personas: mulher, mãe, professora, esposa, dona de casa,…

Primeira postagem 2016

Nem me dei conta de que hoje foi sábado. Os dias aqui, para mim, passam como se fosse uma coisa só: todo dia, "nada" pra fazer - ócio criativo, talvez, apesar de que não tenho criado nada. Mas tenho visto e lido de um tudo: muitos filmes (Império, Transcendence, Mad Max, etc) e alguns livros (Conto de Natal, de Charles Dickens e sobretudo a Bíblia). Ganhei a Bíblia da Mulher e tenho me alimentado bem dela.
esqueci de pegar foto no face
Viajar pra casa dos pais é voltar ao passado infantil. É bom e mau ao mesmo tempo, nos deparamos sempre com algumas mágoas, algumas falhas, alguns concertos. Certas relações a gente não entende porque é do outro; briga, chora, grita, se enraivece e, por fim - maturidade! - aceita e toca o barco.
Tem chovido bem em Sampa. Hoje a água caiu mesmo. Minha mãe e irmã viajaram pra Goiás. E eu cá estou com a minha moreninha, esperando a boa vontade do governo estadual pra voltar pra Bh. Na verdade faremos uma ponte Viçosa-BH. É bom viajar a sós, só co…