Pular para o conteúdo principal

Velha Infância

rito de passagem :)

Hoje acordei com 30 anos e... nada, não me sinto nada diferente, mas me peguei pensando no que eu tenho até agora, no que vou ter, em idade, etc. Lembrei de um episódio em que eu estava no camarim - fui ou sou atriz, nem sei - e ai eu perguntava a idade de uma colega ali perto, depois mais gente entrava e não acreditavam na nossa idade "tão avançada". A minha colega dizia ter 32 e eu ainda tava no 29, acho. "Não creio! nem parece!" e brincávamos que dormíamos no formol. Mas hoje fiquei pensando que a faixa que compreende os 27 a 32, 34 anos mais ou menos não é uma idade tão avançada assim, tipo por que se assustam se a gente tem 30, 40? Sei lá, parece que ninguém quer sair da terra do nunca e que passar dos 25 é demais. Como eu disse, não sinto nada de diferente. Só receio que a sociedade vai me cobrar mais, mais postura "adulta" já que vou ser mãe, mais maturidade (seja lá o que isso signifique), me vestir diferente, nada de estampas fofinhas nas roupas ou peças rosas, ser bem sucedida. É, acho que nessa parte estagnei. Na verdade, no meio em que estou, com as pessoas com quem lido, o fato de ter cursado uma universidade federal é irrelevante, ou não necessariamente necessário. Por outro lado, vejo amigos e colegas fazendo mestrado, doutorado, viajando, vivendo no exterior. Assim sendo, me sinto oscilante entre dois mundos, o mundo simples do qual vim e o acadêmico que me foi apresentado e agora parece se distanciar cada vez mais.

No sábado foi meu chá de bebê e já comemoração do niver de 3.0, apesar de que faço mesmo no dia 20, ontem, dia da poesia e dia 19 foi centenário de Vinicius de Moraes. Sei que alguns amigos foram a um evento dedicado a ele que aconteceu por aqui e fiquei me perguntando porque na literatura os mortos são tão mais importantes que os vivos. Fiquei chateada porque muita gente não apareceu no chá e mal se lembrou do meu aniversário, sobretudo familiares. C'est la vie...

Horário de verão está matando, sobretudo com esse calor. Parece que o verão realmente já começou. Fui à médica hoje, que disse que minha filha já está encaixada, de cabeça pra baixo e pressionando minha bexiga, por isso que estou indo ainda mais ao banheiro. Está chegando a hora, tenho lido muito e  assistido videos sobre parto. Que tudo dê certo, amém. Participo de um grupo no face, mães e amigas, ai as mamães estavam lá comentando qual a idade delas e dos parceiros, vi que tinha um tanto de adolescente dizendo que os "maridos" tinham essa e aquela idade que comentei que o número de adolescentes grávidas ali me assustava. Aí teve uma que se doeu e comentou que o importante era saber cuidar e blábláblá e não precisava ninguém se assustar com idade, aí outras topetudas foram se doendo também, mas eu resolvi nem comentar, não valia a pena. Eu só quis dizer o quanto a situação era injusta. Agora que estou do outro lado, penso nos pais dessas meninas que com certeza serão os bancadores financeiros dos bebês que não planejaram e que não são sua responsabilidade. Isso é o que as cabecinhas ocas não entendem e enchem a boca pra falar contra o mundo que se levanta contra elas. Bitch, please....Por mais que eu esteja também nos perrengues financeiros, sou adulta e já saí de casa há muito tempo e sou verdadeiramente independente. 

É, certas coisas mudaram, eu lido com adolescentes mas o jeito seguro demais de si de alguns me irrita profundamente. Penso na minha filha e não quero que ela engravide aos 13 ou 15, isso prejudicará a vida dela e a minha, enfim. Tudo me preocupa agora. Acho que com o avançar dos anos, a gente só ganha mais preocupação e peso, e mais sabedoria, creio, mais segurança pra tomar decisões, mesmo porque é preciso. Lembro da infância e adolescência, eu era tão ingênua, boba até, mas foram fases boas, tempos que parecem não passar nunca e de repente passam. Louvado seja Deus por tudo que tenho e sou: vida, casa, filha, marido, família, diploma, vivências, experiências; professora, aluna, amiga, mãe, esposa, nora, filha, irmã, prima, sobrinha, neta, cunhada... Louvado seja Ele que em deu mais um ano de vida pra comemorar tudo isso. E viva a velha infância :) 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…