Pular para o conteúdo principal

O parto é punk :)

A palavra punk sempre me remete à rebeldia, coisas e pessoas fora do convencional, com aparência ... punk mesmo. Me lembro de um seriado/desenho em que a protagonista chamava-se exatamente Punk, a levada da breca - era o título. E no dia 12 desse mês não consegui achar palavra melhor para descrever meu parto: foi punk, ponto.
Apesar de tudo que passei, continuo defendendo o parto dito normal, ou vaginal. Eu até partiria para um parto humanizado se tivesse me preparado desde o início, mas não deu. Tive o que ouso chamar de parto semi-humanizado: todo o corpo médico me tratou com profissionalismo típico, aquela coisa meio distante, mas apropriada. Enfim, fui bem tratada no geral. O que vou relatar talvez tenha meu típico tom pessimista, mas sem intenção de assustar. A gente sobrevive e depois se sente preparada pra qualquer coisa na vida.
No dia 11 acordei sentindo umas dores. Como tinha consulta marcada, fui tranquilamente até o posto. Após ser examinada, voltei pra casa sabendo estar em trabalho de parto, com 1cm de dilatação. A médica não viu necessidade d'eu ir pro hospital e me falou pra observar. Passei o dia normalmente, sentindo dores leves. A noite tomei banho e comecei a perder muita "gosma", o tal do tampão que saía. As dores continuavam de leve.  Falei sobre a gosminha com meu namorido e minha mãe. Meu sogro já estava de sobreaviso com o carro. Minha ideia era ir pro hospital quando a bebê já estivesse quase nascendo, porque eu estava sempre ouvindo histórias dos médicos que faziam sempre cesárea e isso eu não queria. Mas logo após o banho comecei a me sentir febril, deitei e pedi um cobertor. Meu namorido se preocupou e resolvemos partir pro hospital. O médico de plantão era um dos adeptos da faca, me examinou e viu que ainda estava com 1cm de dilatação, mesmo assim mandou me internar em observação e caso a dilatação não evoluísse até de manhã, faria cesárea. Gelei na hora, o dia inteiro eu não tinha evoluído, como iria em uma noite? Além disso não queria cesárea de jeito nenhum. Fui para o quarto indicado por uma enfermeira, acompanhada por minha mãe. Quando me vi naquele quarto sem meu namor, à mercê dos médicos, desatei a chorar. Logo veio uma enfermeira e me deu uma camisola e um pano para as partes baixas. Enrolei um pouco, mas finalmente me troquei e colocaram uma daquelas "torneirinhas" no braço. Recebi uma medicação - não sei o que - e fui deixada lá. Minha mãe e eu nos ajeitamos e fomos tentar dormir. Todos se assustavam quando sabiam da minha decisão pelo PN, mas eu estava irredutível. Orei a madrugada inteira pedindo a Deus pra que meu quadro evoluísse e que cesárea não fosse feita. Fui atendida, logo comecei a sentir dores fortes e vomitar um líquido verde, devia ser a medicação, imagino. Uma enfermeira foi ver como eu estava e avisou o médico. Como eu não conseguia deitar, sentar ou dormir, fiquei andando, tentando suportar as dores.  Devo dizer que as dores eram bem terríveis e mal sabia eu que estavam apenas começando... O médico apareceu um tempo depois, me deu uma olhada e mandou subir pra sala de pré-parto. Fui levada numa cadeira de rodas e foi bem difícil sentar nela. Chegando na sala, ainda madrugada, as dores iam piorando e eu sangrando em pequenas quantidades. Me preocupei, pedi minha mãe pra falar com a enfermeira, que informou estar tudo dentro do normal. Tomei um banho quente, eu tremia inteira e não conseguia relaxar. Minha mãe dizia pra eu fazer força quando viessem as dores - vinham uma atrás da outra - mas eu estava exausta, sempre em pé, não conseguia deitar ou sentar apesar de ter tentado a pedido das enfermeiras, que já eram outras na troca de plantão. Tentei até usar a bola, em vão. Achei que o médico também seria trocado, mas ele permaneceu. Quando estava amanhecendo, minha bolsa finalmente rompeu - junto com sangue, uma quantidade considerável de líquido - e passei a fazer força involuntariamente. Meu instinto natural foi ir pro banheiro e sentar no vaso. Logo a enfermeira me alertou pra não fazer força ali; voltei a ficar em pé. Nisso, já tinha praticamente expulsado minha mãe do quarto. Como já era hora, ela desceu e trocou de lugar com meu namorido, que se assustou ao me ver naquele estado e sem poder fazer nada, saiu da sala. Logo o médico veio me olhar, tive que deitar, e ele chamou uma outra médica pra olhar, dizendo que a cabeça da minha baby já era visível. Aí uma das enfermeiras me levou pra sala de parto, fui andando apoiada nela e as dores já beiravam o insuportável. Lá dentro uma cama daquelas de exame ginecológico me esperava e tive que fazer um esforço sobrehumano pra deitar nela. Fui orientada a segurar nos ferrinhos da cama e fazer força. Desde a sala de pré-parto eu estava grunhindo, agora passei a gritar mesmo, estava me segurando porque não sou disso, mas nessa hora não teve jeito, soltei os bichos, ainda mais quando  o médico disse que ia me dar uma ajudinha e empurrou minha barriga. Fiz uma última força de expulsão e disseram: nasceu! e pareceu que tinham arrancado todos os meus órgãos, me senti oca. Logo colocaram a minha bebe perto de mim, depois levaram-na pra vestir. Lídia nasceu às 7h36 da manhã com 2,910kg e 49,5cm. Enquanto a doutora me limpava e costurava, uma das enfermeiras me perguntou se tinha valido a pena... minha garganta estava seca, mas ainda assim eu confirmei. Valeu!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Cabana

Estreando essa Coluna de quinta, vou falar sobre o filme A Cabana (The Shack). Demorei um bocado para falar sobre o filme, minha vontade quando assisti o filme foi sair dali e correr pra fazer uma resenha linda, elogiando altamente o filme. Porém ponderei e deixei a emoção esfriar. A maioria dos cristãos, os mais estudados, está fazendo duras críticas ao filme. Este vídeo é bem interessante e prova disso. Não discordo dele em muita coisa, porém em algumas coisas discordo e vou explicar o meu ponto de vista. O MEU ponto de vista. Este outro vídeo já fala bem, levando em consideração apenas a mensagem geral do filme: que Deus deseja ter um relacionamento pessoal com cada um de nós. E isso, para nós cristãos, é um fato.

Desde que li o livro e soube do projeto do filme, porque já havia a ideia de transformá-lo em filme, fiquei na expectativa do filme. Confesso que quando leio, não consigo visualizar bem o que está escrito, e um filme me ajuda muito. Aí saiu e qual não foi a surpresa quan…

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…