Pular para o conteúdo principal

O parto é punk :)

A palavra punk sempre me remete à rebeldia, coisas e pessoas fora do convencional, com aparência ... punk mesmo. Me lembro de um seriado/desenho em que a protagonista chamava-se exatamente Punk, a levada da breca - era o título. E no dia 12 desse mês não consegui achar palavra melhor para descrever meu parto: foi punk, ponto.
Apesar de tudo que passei, continuo defendendo o parto dito normal, ou vaginal. Eu até partiria para um parto humanizado se tivesse me preparado desde o início, mas não deu. Tive o que ouso chamar de parto semi-humanizado: todo o corpo médico me tratou com profissionalismo típico, aquela coisa meio distante, mas apropriada. Enfim, fui bem tratada no geral. O que vou relatar talvez tenha meu típico tom pessimista, mas sem intenção de assustar. A gente sobrevive e depois se sente preparada pra qualquer coisa na vida.
No dia 11 acordei sentindo umas dores. Como tinha consulta marcada, fui tranquilamente até o posto. Após ser examinada, voltei pra casa sabendo estar em trabalho de parto, com 1cm de dilatação. A médica não viu necessidade d'eu ir pro hospital e me falou pra observar. Passei o dia normalmente, sentindo dores leves. A noite tomei banho e comecei a perder muita "gosma", o tal do tampão que saía. As dores continuavam de leve.  Falei sobre a gosminha com meu namorido e minha mãe. Meu sogro já estava de sobreaviso com o carro. Minha ideia era ir pro hospital quando a bebê já estivesse quase nascendo, porque eu estava sempre ouvindo histórias dos médicos que faziam sempre cesárea e isso eu não queria. Mas logo após o banho comecei a me sentir febril, deitei e pedi um cobertor. Meu namorido se preocupou e resolvemos partir pro hospital. O médico de plantão era um dos adeptos da faca, me examinou e viu que ainda estava com 1cm de dilatação, mesmo assim mandou me internar em observação e caso a dilatação não evoluísse até de manhã, faria cesárea. Gelei na hora, o dia inteiro eu não tinha evoluído, como iria em uma noite? Além disso não queria cesárea de jeito nenhum. Fui para o quarto indicado por uma enfermeira, acompanhada por minha mãe. Quando me vi naquele quarto sem meu namor, à mercê dos médicos, desatei a chorar. Logo veio uma enfermeira e me deu uma camisola e um pano para as partes baixas. Enrolei um pouco, mas finalmente me troquei e colocaram uma daquelas "torneirinhas" no braço. Recebi uma medicação - não sei o que - e fui deixada lá. Minha mãe e eu nos ajeitamos e fomos tentar dormir. Todos se assustavam quando sabiam da minha decisão pelo PN, mas eu estava irredutível. Orei a madrugada inteira pedindo a Deus pra que meu quadro evoluísse e que cesárea não fosse feita. Fui atendida, logo comecei a sentir dores fortes e vomitar um líquido verde, devia ser a medicação, imagino. Uma enfermeira foi ver como eu estava e avisou o médico. Como eu não conseguia deitar, sentar ou dormir, fiquei andando, tentando suportar as dores.  Devo dizer que as dores eram bem terríveis e mal sabia eu que estavam apenas começando... O médico apareceu um tempo depois, me deu uma olhada e mandou subir pra sala de pré-parto. Fui levada numa cadeira de rodas e foi bem difícil sentar nela. Chegando na sala, ainda madrugada, as dores iam piorando e eu sangrando em pequenas quantidades. Me preocupei, pedi minha mãe pra falar com a enfermeira, que informou estar tudo dentro do normal. Tomei um banho quente, eu tremia inteira e não conseguia relaxar. Minha mãe dizia pra eu fazer força quando viessem as dores - vinham uma atrás da outra - mas eu estava exausta, sempre em pé, não conseguia deitar ou sentar apesar de ter tentado a pedido das enfermeiras, que já eram outras na troca de plantão. Tentei até usar a bola, em vão. Achei que o médico também seria trocado, mas ele permaneceu. Quando estava amanhecendo, minha bolsa finalmente rompeu - junto com sangue, uma quantidade considerável de líquido - e passei a fazer força involuntariamente. Meu instinto natural foi ir pro banheiro e sentar no vaso. Logo a enfermeira me alertou pra não fazer força ali; voltei a ficar em pé. Nisso, já tinha praticamente expulsado minha mãe do quarto. Como já era hora, ela desceu e trocou de lugar com meu namorido, que se assustou ao me ver naquele estado e sem poder fazer nada, saiu da sala. Logo o médico veio me olhar, tive que deitar, e ele chamou uma outra médica pra olhar, dizendo que a cabeça da minha baby já era visível. Aí uma das enfermeiras me levou pra sala de parto, fui andando apoiada nela e as dores já beiravam o insuportável. Lá dentro uma cama daquelas de exame ginecológico me esperava e tive que fazer um esforço sobrehumano pra deitar nela. Fui orientada a segurar nos ferrinhos da cama e fazer força. Desde a sala de pré-parto eu estava grunhindo, agora passei a gritar mesmo, estava me segurando porque não sou disso, mas nessa hora não teve jeito, soltei os bichos, ainda mais quando  o médico disse que ia me dar uma ajudinha e empurrou minha barriga. Fiz uma última força de expulsão e disseram: nasceu! e pareceu que tinham arrancado todos os meus órgãos, me senti oca. Logo colocaram a minha bebe perto de mim, depois levaram-na pra vestir. Lídia nasceu às 7h36 da manhã com 2,910kg e 49,5cm. Enquanto a doutora me limpava e costurava, uma das enfermeiras me perguntou se tinha valido a pena... minha garganta estava seca, mas ainda assim eu confirmei. Valeu!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fase do não

Lídia tem me dito muito não ultimamente. E haja paciência para lidar com isso! Uma mulher que trabalha, tem casa, marido e uma filhinha pequena realmente tem problemas com ser paciente. Tudo que envolve ser uma boa mãe fica ameaçado quando não se pode dedicar-se à criança integralmente. E toda mãe tem, de dois, um dos sonhos: poder dedicar-se integralmente ao seu rebento ou sair para trabalhar sem sentir-se culpada. O primeiro ainda é possível de conseguir para algumas afortunadas; já o segundo... Bem vinda ao mundo da maternidade!

Bom, os nãos da Lídia só não são mais problemáticos porque sua alegria impera e nos contagia. Ainda bem que já estou de "férias" (duas semaninhas de julho) e posso acompanhar melhor a pequena com toda sua cantoria, obra da escolinha e dos videos da galinha pintadinha. Além da galinácea, no menu temos Peppa Pig, O show da Luna, Mundo Disney e por aí vai. Na festa da família na escolinha, a professora bem que tentou fazer os pequenos falarem os ver…

Personas

O top virou peça de dormir. O shortinho de academia, bem, uso em casa mesmo. A disposição pra levantar de manhã cedo e ir caminhar depois de colocar a filhotinha na van se foi, preciso dormir mais, obra do cansaço. Qualquer roupa tá bom. Me arrumar? Quando dá. Se der, deu, se não der, paciência.

Em pleno dia do rock, o dia foi pauleira mesmo. Muita prova de recuperação, aluno enchendo por causa de pontos, ter que manter a todo custo o aluno em sala de aula fazendo alguma coisa, ufs! Conselho de classe e entrega de notas foram pra agosto, thanks God! Mas o dia deixou suas marcas. Uma forte dor de cabeça me tomou desde cedo, tomei um remédio - sim, automediquei-me - e passou, mas me deixou um tanto ligada o comprimido marrom que contém cafeína.

Não tenho tempo para mim, mas tento. Estou fazendo um curso online de musicoterapia e a música é minha melhor terapia. canto mal, mas espanta mesmo os males! Não é fácil conciliar todas as personas: mulher, mãe, professora, esposa, dona de casa,…

Primeira postagem 2016

Nem me dei conta de que hoje foi sábado. Os dias aqui, para mim, passam como se fosse uma coisa só: todo dia, "nada" pra fazer - ócio criativo, talvez, apesar de que não tenho criado nada. Mas tenho visto e lido de um tudo: muitos filmes (Império, Transcendence, Mad Max, etc) e alguns livros (Conto de Natal, de Charles Dickens e sobretudo a Bíblia). Ganhei a Bíblia da Mulher e tenho me alimentado bem dela.
esqueci de pegar foto no face
Viajar pra casa dos pais é voltar ao passado infantil. É bom e mau ao mesmo tempo, nos deparamos sempre com algumas mágoas, algumas falhas, alguns concertos. Certas relações a gente não entende porque é do outro; briga, chora, grita, se enraivece e, por fim - maturidade! - aceita e toca o barco.
Tem chovido bem em Sampa. Hoje a água caiu mesmo. Minha mãe e irmã viajaram pra Goiás. E eu cá estou com a minha moreninha, esperando a boa vontade do governo estadual pra voltar pra Bh. Na verdade faremos uma ponte Viçosa-BH. É bom viajar a sós, só co…