Pular para o conteúdo principal

Vida segue


It's hard
But you know it's worth the fight
'Cause you know you've got the truth on your side
When the accusations fly
Hold tight!
Don't be afraid of what they'll say
Who cares what cowards think? Anyway,
They will understand one day
One day

Les Jours Tristes - Yann Tiersen

Fui à nutricionista hoje, estou com 71kg. Antes da gravidez eu estava com 67 e cheguei ao final com 79, e tudo indica que estou bem. Não fiquei gorda porque sou alta e a barriga só estava bem visível lá pelo oitavo mês. Agora que tenho a bebê nos braços, a barriga ficou, um pneuzinho. Pelo menos já estou usando jeans novamente, só um mais apertado que ainda não fecha. A linha na barriga também permanece.
Gostaria de dizer que as dores passam assim que o bebê nasce, mas não é bem assim. Claro, dá um alívio enorme nessa hora, mas aí tem os pontos que a gente leva lá embaixo. Quando voltei pro quarto no hospital, estava bem, me movimentando normalmente ao contrário das outras três mães que lá estavam, que passaram por cesárea e nem no banheiro podiam ir. Mas quando fui pra casa o bicho pegou. O negócio doía tanto que eu não podia sentar, só deitar ou ficar em pé. Descobri qual é a sensação de fazer xixi em pé. Quanto ao number 2, fiquei uns 10 dias sem e até agora meu intestino tá "preguiçoso", mas eu sempre tive esse problema. Como diz a música, "Tudo é dor e toda dor vem do desejo de não sentirmos dor". Agora estou bem, apesar do resguardo, que nada mais é do que um tempo caseiro que o médico dá pra gente descansar e se privar de praticamente tudo durante 40 dias. Só é permitido cuidar do bebê, a parte mais gostosa e trabalhosa também!
A amamentação também não foi fácil. No início era novidade e fazia cócegas; depois, pela falta de costume, começou a doer muito. Usei uma pomada que ajudou um pouquinho, mas o que ajuda é exatamente o ato de amamentar. O vínculo que se cria é totalmente verdadeiro. Uma vez tirei meu leite e dei à Lídia na chuquinha e me senti mal, como se estivesse privando-a de algo essencial, e de fato estava. Com persistência consegui superar o incômodo e agora está bem melhor. Lídia está se alimentando exclusivamente do meu leite e espero poder continuar assim até os seis meses, isso se não vierem os dentes antes, porque aí complica.Tudo é questão de vestir a camisa, querer.
A pior dor mesmo é quando ela sente dor, porque dói em mim. O choro de dor é diferente e logo o reconhecemos. O bebê se contorce e/ou se estica todo, fica muito vermelho e chora "doído". Pelo menos é o que eu observo na Lídia. Bebê nunca chora à toa, geralmente vai ser por fome, frio, dor, fralda suja ou querendo colo. Muita gente tasca logo uma chupeta na criança pra que ela não chore, mas é preciso entender que o choro é a fala dela, portanto é natural; claro que é desconfortável e deixa todo mundo nervoso, inclusive o bebê, só que é preciso manter a calma. Ontem quase chorei com a Lídia, que teve uma crise de choro por conta de cólicas intestinais, tadinha. Segura-la de bruços ajuda, além do remedinho (luftal) é claro. Lídia não usa chupeta e nem pretendo passar a usar tão cedo.
Domingo foi a apresentação dela na igreja. Como somos evangélicos, não houve batismo. Agora eu e Bruno temos a missão de criar uma cristã. Grata missão! Amanhã ela faz um mês. Thanks God!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…