Pular para o conteúdo principal

Carambas em BH



Faz um ano e meio que não durmo direito, e tem a ver com escolhas, aliás, uma escolhinha que não me deixa dormir a noite toda. Ser mãe é tudo que dizem e muito mais, mas também tem me trazido muitas dores, suportáveis, por certo. Não posso dizer que padeço no paraíso, mas é aquele tipo de experiência que só vivenciando-a pra compreender. 

Estava pensando há muitos dias no tratamento que recebemos pelo SUS e pelo particular. Assisti a uma cena de novela quando o filho de dois anos de uma personagem sofria uma queda e imediatamente a escolinha comunicava o fato à mãe, que o levava ao médico, que por sua vez pedia uma bateria de exames, incluindo uma tomografia, acho. Minha filha bateu a cabeça uma vez também - na verdade, algumas vezes - e nessa eu a levei ao médico, isto é, ao Hospital na cidade onde ela nasceu. Depois de algumas horinhas esperando, a mocinha que a atendeu - até hoje não sei se era médica, residente ou enfermeira - encaminhou-a pra fazer um raio-x, ao que outra moça, dessa vez uma enfermeira mesmo, gritou que o raio-x estava quebrado e seria usado somente em casos de extrema urgência - hein??. Bom, aí nos encaminharam pra um médico novo e bonitinho que estava preguiçosamente sentado em sua cadeira esperando sei lá o que e fazendo nada. Ele olhou a Lídia, olhou no relógio, disse que pelo tempo que já tinha passado da queda dela, sem nenhuma reação, poderíamos ir embora. Ponto. Caramba. Quer dizer que se eu estivesse pagando de novo - sim, porque eu pago através dos impostos e pagaria de novo direto ao médico - o atendimento seria semelhante ao do menino da novela?? Caramba. 

Eu soube também que muitos cargos públicos que não exigem formação superior pagam até quatro vezes o que eu ganho como professora. Caramba. Caramba. Que eu fazendo aí um doutorado posso ganhar um salário de no máximo 3 mil. Caramba. Volto todos os dias da escola pra casa cansada, com dor nas costas, às vezes dor de cabeça, os gritos e risos e zombarias e más respostas dos alunos ecoando na minha cabeça pra isso? Caramba. Mas não sei fazer outra coisa. Não estou me dando maravilhosamente bem no que faço porque até os alunos me sugerem o que devo fazer, mas... sei lá, penso que estou no lugar certo sem nem saber explicar bem o por quê. Masoquismo? Não. É uma coisa muito mais profunda e forte enraizada em mim: uma crença, um ideal. Uma ideia. Sobre isto, favor assistir à cena inicial de A Origem, quando o belo Leonardo DiCaprio explica o poder que uma ideia tem. :)

Mudei há pouco tempo para a grande BH, vontade antiga minha e coincidentemente do meu marido. Um concurso feito há quase três anos me chamou, e olha que eu estava até bem colocada na lista, enfim... cá estamos e cá ficaremos, com toda a nossa história e dificuldade. Mudar de cidade é a nossa maneira de esquecer. Nós nos mudamos em todos os sentidos que essa frase pode ter, mas eu de certa forma, e sempre continuo um ser deslocado, se procurando. Esse assunto fica pra depois, pois a minha escolhinha está em casa esperando. Bye. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…