Pular para o conteúdo principal

Passport e a passagem do tempo



Meu passaporte venceu hoje, em branco. Nenhum carimbo de viagem a país nenhum. Uma grande frustração para mim. Sempre que vejo fotos de amigos que viajaram pra outro país, uma tristeza profunda me toma. Parece tão fácil para eles! E nunca o foi para mim. Durante minha graduação, todo ano tinha bolsas, mas eu nunca tentei, e nem cheguei a me informar se eram bolsas integrais ou parciais. Achava que meu inglês wasn't that good, então nem tentava, e esperava também que algo pra levasse pra lá, não sei o quê. Então resolvi tentar no meu último ano de graduação, acho. Fui a Juiz de Fora, fui a São Paulo, conversa com banco daqui e dali, tudo vão. Pelo empréstimo e prazos, vi que não valeria a pena, juros altíssimos. Cheguei ao departamento de letras e comuniquei que não iria mais. Me aconselharam a ligar para uma professora que podia ajudar, mas ela apenas disse "que pena". Foi a pá de cal final. Todos os outros participantes do programa eram jovens de classe média, média alta, estavam tranquilamente indo. E eu, que tirei uma nota boa no teste Toefl de inglês, estava lá sem grana e portanto, não iria. Com nível de inglês, passaporte na mão, mas não iria. E não fui. Pedi pra sair do grupo que haviam criado enquanto eles conversavam sobre alojamento, onde iriam ficar, etc. Doeu. E nesses cinco anos, deixei pra lá. Me formei, casei, tive minha filha, formei família, sou professora do estado aqui em MG. Parei com esse sonho, guardei na gaveta. Se antes estava difícil, como farei agora que tenho família? Mas um sonho nunca deixa de pulsar dentro da gente.

Pensei em colocar fogo no passaporte. Não foi fácil nem simples tirá-lo. Fui a Juiz de Fora algumas vezes, no dia da foto, com a minha melhor roupa. Enfim, gasto financeiro e emocional. Toda vez que alguém me pergunta se já fui para o exterior, tomo isso como um elogio e uma dor: muitos falam do meu bom inglês - que atualmente está enferrujando - mas isso também mexe com a ferida aberta há cinco anos. 

O tempo. Cinco anos parecia tanto e tão distante. E já passou. Nossa vida é curta ou longa, tão limitada e extensa, tão... imprevisível e sensacional. Tudo depende do ponto no tempo-espaço em que nos encontramos no momento. Me sinto ultrapassada para certas coisas, sobretudo para os dois sonhos que me movem: a viagem ao exterior e a publicação do(s) meu(s) livro(s). Tenho a minha filha e com filho tudo muda, não é só uma frase clichê, é a realidade, mas uma realidade que a gente só toma consciência quando temos um pequenino em casa querendo a atenção all the time. É maravilhoso mas extremamente e intensamente desgastante. É preciso preparo, ainda que ele venha durante a vida do pequeno ser.

Não fiquei tão triste assim hoje. Este ano completo meu trigésimo-terceiro ano e sei que ainda tenho algum tempo pra fazer certas coisas que urgem: tomar mais água; fazer exercícios físicos; comer mais frutas e verduras; controlar o mau humor; dar mais bom dia às pessoas; ser mais feliz; e claro, ainda realizar os meus dois trabalhos de Hércules: livro e viagem. Livro e viagem, livro e viagem, mantra, auummmmm... :)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…