Pular para o conteúdo principal

Sobre a criação de filhos

cena do filme "Catch and release" (pegar e largar)

Fico cada vez mais preocupada com os teens de hoje: tão irresponsáveis, promíscuos, muitos já são "mães" e "pais". Coloco entre aspas porque em sua maioria eles não criam os próprios filhos, o papel sempre fica relegado aos avós, que ganham não um neto, mas mais um filho indesejado. Óbvio está a objeção que faço à gravidez adolescente. Aliás, diria até contra o sexo entre adolescentes porque se não sabem ou não querem se prevenir, não podem fazer. Se não trabalham e não são emocionalmente estáveis (minimamente) não podem ter filhos. E geralmente não é uma decisão consciente, simplesmente "aconteceu". Ah vá....
Opiniões radicais à parte, creio que tudo começa na criação do menino e da menina, que é bastante diferente. Se o menino sente vontade de fazer xixi no meio da rua, os pais levam ele num canto qualquer pra fazer, enquanto que a menina não pode; brincar de carrinho, usar boné e andar de skate é coisa de menino; e por aí vai. O menino quase homem pode "Passar o rodo" é normal, mas a menina é uma vadia se assim o fizer. Ele engravida uma menina e pula fora, ela fica lá achando lindo ter um bebê, mas depois que nasce... manhêee!! Coitada da vovó!! Ou sente-se meio sem opção, sem nem saber o que está acontecendo consigo mesma... triste.  
Meninos não podem tudo, nem meninas, nem ninguém. A sociedade atual se pauta nisso: tudo pode, tudo é liberado, liberdade de escolher tudo a todos, não importa idade nem nada. Acho que precisamos de regras e leis para um mínimo funcionamento da sociedade. Otherwise, chaos. E parece que estamos sempre caminhando atraídos pelo e para o caos. Desde que fomos expulsos do jardim do Éden, o mundo ficou assim, está sempre oscilando. 
Gostaria que minha filha crescesse no  meio que eu cresci: na igreja, sendo ensinada, apesar de que cometi meus erros, mas foram meus deslizes, e não falta de conhecimento ou atenção dos meus pais. Me preocupo tanto que tenho medo de me preocupar em excesso e criá-la numa redoma, querendo protegê-la de tudo e todos. Não tem jeito. Gostaria só que ela fizesse cada coisa a seu tempo, sem atropelar fases, sem pressa, sem ser apressada por outrem, namorado ou sociedade. Gostaria que ela me desse ouvidos pois ai ela vai saber tudo o que eu descobri tarde demais, pra evitar sofrimento desnecessário. Gostaria que fôssemos amigas, que ela se apaixonasse e fosse correspondida, que tivesse um namoro santo, que... fosse feliz, pra resumir. Mas a vida é dela e as escolhas serão dela. Cabe a mim orientar pra que ela saiba caminhar sozinha later. Pais adolescentes também têm essa incapacidade de orientar, pois eles mesmos ainda estão aprendendo a caminhar sozinhos. Como fazer isso com um bebê a bordo? Um bebê interfere de forma decisiva em toda a nossa existência, quer você fique com ele ou não, que o assuma ou não. Saber que ele esteve ou está lá já muda tudo. Por outro lado, não existe uma maneira única de criar filhos, já que somos seres individuais e por isso, cada um vem de um jeito todo próprio desde o ventre. O meu manual é a Bíblia e quem dera fosse o de toda a humanidade! Mas que façamos o melhor para nossos filhos. Que todos os que são pais e mães não maltratem, abusem ou matem seus filhos. Que os que não os querem ou não planejaram coloquem-nos para adoção ou escolham uma família para eles, pois ninguém merece ser criado em um abrigo e depois aos 18 ser jogado na rua sem muita perspectiva de vida. Que amemos assim como Ele nos amou, amém! :)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fase do não

Lídia tem me dito muito não ultimamente. E haja paciência para lidar com isso! Uma mulher que trabalha, tem casa, marido e uma filhinha pequena realmente tem problemas com ser paciente. Tudo que envolve ser uma boa mãe fica ameaçado quando não se pode dedicar-se à criança integralmente. E toda mãe tem, de dois, um dos sonhos: poder dedicar-se integralmente ao seu rebento ou sair para trabalhar sem sentir-se culpada. O primeiro ainda é possível de conseguir para algumas afortunadas; já o segundo... Bem vinda ao mundo da maternidade!

Bom, os nãos da Lídia só não são mais problemáticos porque sua alegria impera e nos contagia. Ainda bem que já estou de "férias" (duas semaninhas de julho) e posso acompanhar melhor a pequena com toda sua cantoria, obra da escolinha e dos videos da galinha pintadinha. Além da galinácea, no menu temos Peppa Pig, O show da Luna, Mundo Disney e por aí vai. Na festa da família na escolinha, a professora bem que tentou fazer os pequenos falarem os ver…

Personas

O top virou peça de dormir. O shortinho de academia, bem, uso em casa mesmo. A disposição pra levantar de manhã cedo e ir caminhar depois de colocar a filhotinha na van se foi, preciso dormir mais, obra do cansaço. Qualquer roupa tá bom. Me arrumar? Quando dá. Se der, deu, se não der, paciência.

Em pleno dia do rock, o dia foi pauleira mesmo. Muita prova de recuperação, aluno enchendo por causa de pontos, ter que manter a todo custo o aluno em sala de aula fazendo alguma coisa, ufs! Conselho de classe e entrega de notas foram pra agosto, thanks God! Mas o dia deixou suas marcas. Uma forte dor de cabeça me tomou desde cedo, tomei um remédio - sim, automediquei-me - e passou, mas me deixou um tanto ligada o comprimido marrom que contém cafeína.

Não tenho tempo para mim, mas tento. Estou fazendo um curso online de musicoterapia e a música é minha melhor terapia. canto mal, mas espanta mesmo os males! Não é fácil conciliar todas as personas: mulher, mãe, professora, esposa, dona de casa,…

Primeira postagem 2016

Nem me dei conta de que hoje foi sábado. Os dias aqui, para mim, passam como se fosse uma coisa só: todo dia, "nada" pra fazer - ócio criativo, talvez, apesar de que não tenho criado nada. Mas tenho visto e lido de um tudo: muitos filmes (Império, Transcendence, Mad Max, etc) e alguns livros (Conto de Natal, de Charles Dickens e sobretudo a Bíblia). Ganhei a Bíblia da Mulher e tenho me alimentado bem dela.
esqueci de pegar foto no face
Viajar pra casa dos pais é voltar ao passado infantil. É bom e mau ao mesmo tempo, nos deparamos sempre com algumas mágoas, algumas falhas, alguns concertos. Certas relações a gente não entende porque é do outro; briga, chora, grita, se enraivece e, por fim - maturidade! - aceita e toca o barco.
Tem chovido bem em Sampa. Hoje a água caiu mesmo. Minha mãe e irmã viajaram pra Goiás. E eu cá estou com a minha moreninha, esperando a boa vontade do governo estadual pra voltar pra Bh. Na verdade faremos uma ponte Viçosa-BH. É bom viajar a sós, só co…