Pular para o conteúdo principal

Renovação


Resultado de imagem para rosas com espinhos

AS ROSAS NÃO FALAM
Cartola

Bate outra vez
Com esperanças o meu coração
Pois já vai terminando o verão enfim

Volto ao jardim
Com a certeza que devo chorar
Pois bem sei que não queres voltar para mim

Queixo-me às rosas, mas que bobagem
As rosas não falam
Simplesmente as rosas exalam
O perfume que roubam de ti, ai...

Devias vir
Para ver os meus olhos tristonhos
E, quem sabe, sonhar os meus sonhos
por fim


Detrás de um computador novo me encontro neste momento, preenchendo diários escolares e de repente, não mais que de repente, resolvendo reativar este blog. Muita coisa se passou desde a última postagem e não espero que chovam leitores, já que os tempos são outros. Espero, contudo, me expressar unicamente. Ou unicamente me expressar.

Chegou novamente um dia dos namorados e, desta feita, eu casada, já não sinto aquele mal estar que sempre me acometia nesta época. Não porque ganhei presentes ou tive um dia especial, mas lembrei com pena de mim mesma e certo alívio pelo presente, que eu sentia uma angústia enorme, a tal da solidão solidamente fincada no meu peito. Lembrava sempre do fulano da vez, apesar de que eu nunca fui a fulana da vez de ninguém. Graças a Deus isso acabou quando conheci Bruno. Até brinquei com ele hoje que ele nunca me deu uma aliança de compromisso, que a aliança que ele me deu foi a nossa filha Lídia.

Nao tivemos essa paixão avassaladora que muitos vivem e até hoje, cinco anos de relacionamento (três desses de casados) estamos nos conhecendo e aprendendo a aceitar e amar mais. Na alegria e na tristeza, na saúde e na doença... vivemos alegrias, porém meu amor tem sido constantemente posto à prova nesses últimos meses. Ou melhor, minha lealdade. Minhas escolhas também. Se eu fosse dar detalhes de tudo que já passamos ou já passei, muitos apoiariam uma separação. Eu sei. E teriam razão. Mas a minha razão diz que fiz uma escolha e não sou de desonrar compromissos. Esses dias mesmo estou uma pilha de nervos por ainda não ter entregado todos os diários.

Já pensei várias vezes em desistir, em como seria bom se estivesse solteira. Ou só com minha filha, o céu!! Porém eu nunca soube ser solteira, nunca soube me amar, me ver, e o casamento tem me feito esse bem. Temos passado por muitas provas, alegria e tristeza, saúde e agora doença. Pobreza já é o normal, será que depois virá a riqueza? Assim espero. De saúde, de espírito, de dinheiro também. Não e abalo com esses tempos de crise, me preocupo muito, porém sei que tem alguém maior do que tudo isso cuidando de nós.

Recebi fgts esses dias. Hoje aproveitamos esse dinheiro para comprar coisas que eu precisava, dentre elas, este notebook e um par de alianças. Casados e sem alianças até hoje? Sim, apesar das fotos das nossas mãos no dia do casório estarem com "falsas" alianças. Explico: quando casamos estávamos sem fundos e compramos alianças baratas, tipo anéizinhos imitações de alianças. A minha ficou larga e escureceu, a dele apertava e não conseguia usar, também escureceu. Eu sempre senti falta de um par e nas de hoje até gravamos nosso nome e data. Na hora de falar a data, até me deu um branco! Dezenove de julho de dois mil e catorze. Mês que vem completamos três anos.

Ainda falta consertar muita coisa no nosso relacionamento e na vida dele, que agora se viu obrigado a cuidar da saúde. Sim, obrigado, porque antes eram dois a três litros de refrigerante por dia, salgados, refeições fora de hora, cansaço e irritabilidade altos. Resultado: glicose alta no sangue, pré-diabetes. Aquela pessoa sorridente e simpática aos poucos sucumbindo: sem trabalho, sem ânimo, sem nada. Foi preciso um susto grande para que ele acordasse e pensasse em si, no mal que fazia a si e a família. A passos lentos, com paciência, agora estamos em reeducação alimentar, estamos porque todos aqui precisamos disso. Eu, que estou na minha fase de transição para uma alimentação mais vegetariana, ele com um regime restrito para controle de açúcares no sangue e para baixar peso, com indicativo de cirurgia bariátrica. E a nossa Lídia vai entrando também porque gosta muito de docinhos e porcarias. Culpa dos pais!

Aí a parte financeira ficou totalmente por minha conta agora. Estou trabalhando em dois turnos, 16 turmas, 32 aulas por semana, um dia de folga e muitos sábados para pagar a greve que fizemos. Apesar de não concordar com esse pagamento, vou. E uma launa me perguntou outro dia porque eu escolhi ser professora. Eu disse que não escolhi, que "aconteceu"... e o que vc queria ser, ela retrucou. Aí eu fiquei sem resposta. Escolhi sim ser professora. E na sala dos professores, a conversa foi que tem que gostar muito de dar aula para ser professor. Bingo!

Boa noite!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…