Pular para o conteúdo principal

Navigare necesse; vivere non est necesse


Navegar é Preciso
Fernando Pessoa

Navegadores antigos tinham uma frase gloriosa: "Navegar é preciso; viver não é preciso". 

Quero para mim o espírito [d]esta frase, 
transformada a forma para a casar como eu sou: 

Viver não é necessário; o que é necessário é criar. 
Não conto gozar a minha vida; nem em gozá-la penso. 
Só quero torná-la grande, 
ainda que para isso tenha de ser o meu corpo e a (minha alma) a lenha desse fogo. 

Só quero torná-la de toda a humanidade; 
ainda que para isso tenha de a perder como minha. 
Cada vez mais assim penso. 

Cada vez mais ponho da essência anímica do meu sangue 
o propósito impessoal de engrandecer a pátria e contribuir 
para a evolução da humanidade. 

É a forma que em mim tomou o misticismo da nossa Raça.

Voltei hoje de Cabo Frio, pena que foram apenas dois dias, e tirei fotos como se fossem dias e dias. Mas valeu a pena: só de por o pé na praia, na areia, no mar, ainda que com aquela água nada convidativa de tão gelada, já me senti melhor, menos estresse, menos "tenho que". O mar é uma coisa magnífica. No segundo dia em que mais me animei para curtí-lo infelizmente tiveos que vir embora. Olha o "ter que" mandando novaente. A vida ordinária ruge e urge atendê-la, pagar as contas, essas coisas.

Navegar, viver, viajar sobretudo é preciso. Se não se sai do lugar, que se leia um livro, taí também uma viagem. Ou mais modernamente, que se veja um filme. Tantas formas de viajar e todos nós gostamos mesmo é da saída de lugar e de postar caras felizes e sorridentes, ainda que a vida não seja só de momentos assim. Ora, quem é que vai postar fotos de si mesmo triste, chorando, pobre, cabisbaixo? É se vitimizar, mas pode ser também pedir ajuda. Em tempos de depressões profundas que matam, toda forma de expressão deve ser levada a sério e bem analisada. Recentemente, parece que por causa de depresssão, perdemos o cantor Chester Bennington, vocalista da banda Linkin Park. São tantos detalhes da vida para os quais não damos importãncia, ou rotulamos de "frescura", "isso passa", "é só uma fase", "coisa de adolescente", etc etc etc. Oremos.

Voltando ao mar. Lá na praia me vi refletindo sobre muita coisa e ao mesmo tempo deixado de lado outras. Vi a felicidade das pessoas lá, a democracia da praia, onde todos são iguais, estão lá pelo mesmo propósito, se vestem mais ou menos da mesma maneira. Usam seus "paus de selfie" e registram seus momentos felizes. Minha pequena descobriu a praia, sua primeira vez lá. Ficou extasiada com a água, as ondas, tudo. Quando a tirávamos da água ela mesmo com os dentinhos batendo de frio queria voltar. Não sabia se ficava na areia brincando ou no mar pulando ondas e tomando uns caldos também. Foi gratificante vê-la assim e me fez pensar o quanto sou responsável por ela, por sua formação, por quem ela vai ser no futuro. Eu e Bruno somos os principais guias dela agora. também não consigo pensar em fazer nada sem ela e isso é ser família: estamos conectados pro resto da vida, pra bem ou pra mal. Responsáveis por um ser humano que fará parte da sociedade amanhã (já faz!). Enfim... tanta coisa que só pai e mãe entendem e que nos faz pensar nos nossos próprios pais.

Meus pais estiveram aqui antes da nossa viagem. Minha mãe indagou se eu não tinha escolhido a pior profissão do mundo, e eu ia dizendo não, pensando numa resposta boa quando meu pai me resumiu: "Rebeca é uma idealista, que acredita que com o ensino, a educação vai mudar o mundo, fazer a diferença..." (mais ou menos isso) Eu só sorri e pensei, "é, é isso!". Será que estou errada?

Penso tanto em certo e errado, bem e mal, vivo nisso, e não aceito bem os erros que cometo, mas sei que vou continuar errando pelo simples fato de ser humana. E mesmo às vezes querendo me desprender disso, não tenho como fugir da minha própria essência: that's me. Ninguém foge de si mesmo, pode se moderar, alterar, modelar, porém a essência continua lá. Bem ou mal. Necessário é trabalhar o bem, ainda que a nossa essência nos puxe mais facilmente para o mal. Boa noite.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…

Homens marinheiros

Marinheiro - Adriana Calcanhotto



O meu amor me deixou
levou minha identidade
não sei mais bem onde estou
nem onde há realidade

Ah, se eu fosse marinheiro
era eu quem tinha partido
mas meu coração ligeiro
não se teria partido

ou se partisse colava
com cola de maresia
eu amava e desamava
surpreso e com poesia

ah se eu fosse marinheiro
seria doce meu lar
não só o Rio de Janeiro
a imensidão e o mar

leste oeste norte sul
onde o homem se situa
quando o sol sobre o azul
ou quando no mar a lua

não buscaria conforto
nem juntaria dinheiro
um amor em cada porto

Ah se eu fosse marinheiro..
não pensaria em dinheiro
um amor em cada porto..
Ah se eu fosse marinheiro..

O meu amor me deixou,
levou minha identidade
nao sei mais bem onde estou
nem onde ha realidade

Ah, se eu fosse marinheiro
era eu quem tinha partido
mas meu coração ligeiro
nao se teria partido
ou se partisse colava
com cola de maresia

Homens são marinheiros, trabalhadores de um dia que vêm ,aportam, conquistam, usam, amam por uma noite e se vão…