Pular para o conteúdo principal

Navigare necesse; vivere non est necesse


Navegar é Preciso
Fernando Pessoa

Navegadores antigos tinham uma frase gloriosa: "Navegar é preciso; viver não é preciso". 

Quero para mim o espírito [d]esta frase, 
transformada a forma para a casar como eu sou: 

Viver não é necessário; o que é necessário é criar. 
Não conto gozar a minha vida; nem em gozá-la penso. 
Só quero torná-la grande, 
ainda que para isso tenha de ser o meu corpo e a (minha alma) a lenha desse fogo. 

Só quero torná-la de toda a humanidade; 
ainda que para isso tenha de a perder como minha. 
Cada vez mais assim penso. 

Cada vez mais ponho da essência anímica do meu sangue 
o propósito impessoal de engrandecer a pátria e contribuir 
para a evolução da humanidade. 

É a forma que em mim tomou o misticismo da nossa Raça.

Voltei hoje de Cabo Frio, pena que foram apenas dois dias, e tirei fotos como se fossem dias e dias. Mas valeu a pena: só de por o pé na praia, na areia, no mar, ainda que com aquela água nada convidativa de tão gelada, já me senti melhor, menos estresse, menos "tenho que". O mar é uma coisa magnífica. No segundo dia em que mais me animei para curtí-lo infelizmente tiveos que vir embora. Olha o "ter que" mandando novaente. A vida ordinária ruge e urge atendê-la, pagar as contas, essas coisas.

Navegar, viver, viajar sobretudo é preciso. Se não se sai do lugar, que se leia um livro, taí também uma viagem. Ou mais modernamente, que se veja um filme. Tantas formas de viajar e todos nós gostamos mesmo é da saída de lugar e de postar caras felizes e sorridentes, ainda que a vida não seja só de momentos assim. Ora, quem é que vai postar fotos de si mesmo triste, chorando, pobre, cabisbaixo? É se vitimizar, mas pode ser também pedir ajuda. Em tempos de depressões profundas que matam, toda forma de expressão deve ser levada a sério e bem analisada. Recentemente, parece que por causa de depresssão, perdemos o cantor Chester Bennington, vocalista da banda Linkin Park. São tantos detalhes da vida para os quais não damos importãncia, ou rotulamos de "frescura", "isso passa", "é só uma fase", "coisa de adolescente", etc etc etc. Oremos.

Voltando ao mar. Lá na praia me vi refletindo sobre muita coisa e ao mesmo tempo deixado de lado outras. Vi a felicidade das pessoas lá, a democracia da praia, onde todos são iguais, estão lá pelo mesmo propósito, se vestem mais ou menos da mesma maneira. Usam seus "paus de selfie" e registram seus momentos felizes. Minha pequena descobriu a praia, sua primeira vez lá. Ficou extasiada com a água, as ondas, tudo. Quando a tirávamos da água ela mesmo com os dentinhos batendo de frio queria voltar. Não sabia se ficava na areia brincando ou no mar pulando ondas e tomando uns caldos também. Foi gratificante vê-la assim e me fez pensar o quanto sou responsável por ela, por sua formação, por quem ela vai ser no futuro. Eu e Bruno somos os principais guias dela agora. também não consigo pensar em fazer nada sem ela e isso é ser família: estamos conectados pro resto da vida, pra bem ou pra mal. Responsáveis por um ser humano que fará parte da sociedade amanhã (já faz!). Enfim... tanta coisa que só pai e mãe entendem e que nos faz pensar nos nossos próprios pais.

Meus pais estiveram aqui antes da nossa viagem. Minha mãe indagou se eu não tinha escolhido a pior profissão do mundo, e eu ia dizendo não, pensando numa resposta boa quando meu pai me resumiu: "Rebeca é uma idealista, que acredita que com o ensino, a educação vai mudar o mundo, fazer a diferença..." (mais ou menos isso) Eu só sorri e pensei, "é, é isso!". Será que estou errada?

Penso tanto em certo e errado, bem e mal, vivo nisso, e não aceito bem os erros que cometo, mas sei que vou continuar errando pelo simples fato de ser humana. E mesmo às vezes querendo me desprender disso, não tenho como fugir da minha própria essência: that's me. Ninguém foge de si mesmo, pode se moderar, alterar, modelar, porém a essência continua lá. Bem ou mal. Necessário é trabalhar o bem, ainda que a nossa essência nos puxe mais facilmente para o mal. Boa noite.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fase do não

Lídia tem me dito muito não ultimamente. E haja paciência para lidar com isso! Uma mulher que trabalha, tem casa, marido e uma filhinha pequena realmente tem problemas com ser paciente. Tudo que envolve ser uma boa mãe fica ameaçado quando não se pode dedicar-se à criança integralmente. E toda mãe tem, de dois, um dos sonhos: poder dedicar-se integralmente ao seu rebento ou sair para trabalhar sem sentir-se culpada. O primeiro ainda é possível de conseguir para algumas afortunadas; já o segundo... Bem vinda ao mundo da maternidade!

Bom, os nãos da Lídia só não são mais problemáticos porque sua alegria impera e nos contagia. Ainda bem que já estou de "férias" (duas semaninhas de julho) e posso acompanhar melhor a pequena com toda sua cantoria, obra da escolinha e dos videos da galinha pintadinha. Além da galinácea, no menu temos Peppa Pig, O show da Luna, Mundo Disney e por aí vai. Na festa da família na escolinha, a professora bem que tentou fazer os pequenos falarem os ver…

Personas

O top virou peça de dormir. O shortinho de academia, bem, uso em casa mesmo. A disposição pra levantar de manhã cedo e ir caminhar depois de colocar a filhotinha na van se foi, preciso dormir mais, obra do cansaço. Qualquer roupa tá bom. Me arrumar? Quando dá. Se der, deu, se não der, paciência.

Em pleno dia do rock, o dia foi pauleira mesmo. Muita prova de recuperação, aluno enchendo por causa de pontos, ter que manter a todo custo o aluno em sala de aula fazendo alguma coisa, ufs! Conselho de classe e entrega de notas foram pra agosto, thanks God! Mas o dia deixou suas marcas. Uma forte dor de cabeça me tomou desde cedo, tomei um remédio - sim, automediquei-me - e passou, mas me deixou um tanto ligada o comprimido marrom que contém cafeína.

Não tenho tempo para mim, mas tento. Estou fazendo um curso online de musicoterapia e a música é minha melhor terapia. canto mal, mas espanta mesmo os males! Não é fácil conciliar todas as personas: mulher, mãe, professora, esposa, dona de casa,…

Primeira postagem 2016

Nem me dei conta de que hoje foi sábado. Os dias aqui, para mim, passam como se fosse uma coisa só: todo dia, "nada" pra fazer - ócio criativo, talvez, apesar de que não tenho criado nada. Mas tenho visto e lido de um tudo: muitos filmes (Império, Transcendence, Mad Max, etc) e alguns livros (Conto de Natal, de Charles Dickens e sobretudo a Bíblia). Ganhei a Bíblia da Mulher e tenho me alimentado bem dela.
esqueci de pegar foto no face
Viajar pra casa dos pais é voltar ao passado infantil. É bom e mau ao mesmo tempo, nos deparamos sempre com algumas mágoas, algumas falhas, alguns concertos. Certas relações a gente não entende porque é do outro; briga, chora, grita, se enraivece e, por fim - maturidade! - aceita e toca o barco.
Tem chovido bem em Sampa. Hoje a água caiu mesmo. Minha mãe e irmã viajaram pra Goiás. E eu cá estou com a minha moreninha, esperando a boa vontade do governo estadual pra voltar pra Bh. Na verdade faremos uma ponte Viçosa-BH. É bom viajar a sós, só co…