Pular para o conteúdo principal

Circulos de revolta

bon giorno!

Me perguntaram o nome do meu blog, e eu disse que era bobo. Porque é mesmo, My life is brilliant, hehe. Acontece que sou apaixonada pelo filme "E se fosse verdade?" (Just like heaven) e a música "You're beautiful", do James Blunt, faz parte da trilha sonora. Eis a letra:

My life is brilliant
my love is pure
I saw an angel
of that I'm sure
she smiled me on the subway
she was with another man
but I won't lose no sleep on that
'cause I've got a plan
chorus:
You're beautiful - 3x
it's true
I saw your face
in a crowded place
and I don't know what to do
'cause I'll never be with you

yeah, she caught my eye
as we walked on by
she could see from my face that I was flying high
and I don't think that I'l see her again but
we sared a moment that will last 'till the end

(back to chorus)

tem uma ultima partizinha que eu nao to lembrando, mas não importa; a primeira linha é My life is brilliant, e eu uso essa frase como nome do meu blog com um pouco de ironia...quem conhece minha história, sabe que num tem nada de brilhante...a não ser o fato de eu estar aki, numa federal...isso me faz lembrar o filme Uma mente brilhante...a mente do cara era tão brilhante que ele vivia fatos que estavam somente na cabeça dele...no fim das contas, nada do que ele pensou ter acontecido realmente aconteceu. Já pensou? tenho medo disso, de verdade, de estarmos vivendo em Matrix...

Essa coisa de nome é engraçada...meu pai escolheu o meu e de meu irmão antes mesmo de se casar. As vezes acho meu nome bonito d+ pra mim; pior são as rimas: boneca, peteca, sapeca, meleca, etc. afff...
Os nomes as vezes casam com as pessoas, as vezes não...creio que tive um bom casamento; amo tanto o meu nome que tenho a estranha mania de escrevê-lo constantemente onde quer que tenha um papel ao alcance de minha mão. Escrevo-o de várias formas, abreviado, só o primeiro, com os sobrenomes, etc...

Hm...acho que a minha alienação chegou..."preciso me alienar" foi a frase que coloquei no orkut. Virei alien, como quando eu cheguei em Viçosa, em 2006, em plena frio gelado de maio, e ainda morava na casa de um tio que aqui reside...eu me sentia bastante presa lá na casa dele e não sabia nada de nada sobre a universidade, as festas, Viçosa, o mundo acadêmico. Ingenuamente entrei nele e, agora, um tempo bom depois, chega ao final dessa jornada, com muitas reclamações a fazer, muito que agradecer, muitas dores e cicatrizes não visiveis na pele, mas à flor da alma, talvez. Coisas que batem e ficam aki, guardadas...muito aprendizado e crenças que me guiarão daki pra frente, pra bem ou pra mal. Eu ainda to "pobre e fuleira", eu não sou mais eu de quando cheguei, com medo e vontade. Ainda tenho medo e vontades, mas vontades mudaram...não digo sonhos, porque é muito romântico e eu já não sou romântica, digo vontades. A única coisa que me atrevo a chamar de sonho que tinha foi muito abalado, quase que destruído; mas de certa forma permanece...ver a futilidade com que se tratam os relacionamentos por aki me entristeceu num primeiro momento; quanto isso começou a acontecer comigo, me abalou profundamente; e por fim, eu quase que já não acredito no...(ai pq tenho q falar disso?!) amor.Minha mente me sabota  forçando as lembranças do que ja vivi de bom mas não quero lembrar pq acabo pensando na pessoa, justificando-a, perdoando-a. Isso não é justo. E vem a minha revolta....

sim, meus textos estão andando em círculos de revolta...é o que infelizmente ganhei depois de cinco acadêmicos anos. É o sentimento que certamente me manterá viva doravante. (estou escrevendo certinho pra treinar pra monografia rs).

eu tive um pouco de amor ontem. Eu reencontrei o que um dia despontou como possibilidade...mas eu ja disse, talvez não consiga me abrir como antes, e não quero mergulhar de cabeça, posso ter um traumatismo ao bater no fundo raso da piscina...novamente, meus textos ndando em círculos, perdão. Páro dramaticamente por aki. E agradeço qualquer comentário, preciso saber que tem gente que me vê, me lê, como quando escrevi o texto "um pouco de revolta" e várias pessoas, pessoalmente, me cumprimentaram, dizendo ter lido. "até eu me revoltei!" foi o comentario geral. Que bom, muito bom....mas eh preciso partir para a ação, amigos. É preciso ação e menos falazada...as vezes eu lato muito e não mordo. Acho que é hora de morder. Bye.

Comentários

Amanda... disse…
Rebeca rima como perereca.

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…