Pular para o conteúdo principal

Ana Raio e Zé Trovão

Dia foi tranki-tenso. Eu daria aula de redação, mas meu aluno desmarcou. Foi ate melhor porque eu nao tava muito bem, de ontemde noite ate hj as cinco da madruga fikei acordada estudando, ai fikei o dia todo muuuuuito sonolenta, apesar de ter dormido ate tarde. Não consegui ler o que tinha q ler para a aula de literatura americana (poemas), não consegui terminar ainda os textos de edu 144 (prova dia 16!), mal mal mexi no projeto da mono. Pelo menos poderei entregar dia 08, graças a Dio, isto é, ao Matoso, coordenador da disciplina. Amanha mais uma aula de edu. Novas discussões educacionais. Fui me apresentar ao serviço para uma professora do DER, Sônia, ela ficou muito feliz de saber q eu tenho interesse e experiência em trabalhar em cursinho. Ela esta montando um que vai ficar lá no Laranjal, vai ter ajuda pra transporte só, mas ta bom, todo inicio é dificil. Eu quero mesmo me envolver nisso, espero que eu tenha como ficar em Viçosa after my graduation.


Fui à igreja agora à noite, depois da aula, obviamente cheguei atrasada, mas fui por interesses "financeiros", só que foi muito bom eu ter ido pra Ele falar mais um pouco comigo. Me senti muito melhor. Ah, sim, digo interesses "financeiros" porque fui levar uma parte do meu rifão pra uma moça lá da igreja, ela vai me ajudar a vender, eu vou dar um convite do baile pra ela. Deixei 50 rifas com ela. Espero que ela consiga mesmo vender, estou preocupada, to segurando meu dinheiro desse mês para pagar mais uma parcela desse rifão aí. Sempre tenho que cobrir com meu dinheiro. Cheguei em casa e foi meio engraçado, liguei a TV, passando jogo Cruzeiro x Flamengo, ai mudei de canal pra novela "Ana Raio e Zé Trovão", eles estavam no meio de uma DR, ela perguntando coisas, tipo:

Ana - até quando vc vai ficar comigo, Zé?
Zé - uai, não sei, Ana! hm...acho que até sempre!
Ana - mas esse sempre é ate quando, hein? Sempre pra mim pode nao ser a mesma coisa que é pra vc...
Zé - não sei, Ana. Vamos viver o momento presente sem pensar nesse sempre aí! sempre pode ser até oito segundos, que nem a gente ta acostumado com os boi lá na arena!
Ana, estupefata - oito segundos....sei...eu acho que vc devia casar com a Marisa, Zé.
Zé - casar?
Ana - é, eu acho que vc deveria casar com ela.
Zé - mas eu não to pensando em casar agora, Ana!
Ana - Ela criou o filho de vcs dois sozinha esses anos todos, Zé, vc tem que ajudar ela!
Zé - mas eu vou ajudar! só não preciso casar com ela pra isso! vc nao se importa da gente ficar separado nao?
Ana - claro que eu me importo, Zé, mas eu acho que to fazendo a coisa certa, agindo de acordo com o que eu acredito.Vc me mostrou que eu podia amar de novo, que eu podia confiar...mas a confiança que eu tava tendo em vc ficou muito machucada quando eu descobri do seu filho...eu sei que eu posso amar de novo agora, mas eu tenho que pensar bem em que tipo de homem eu quero do meu lado, se eu quero um homem que pensa que sempre pode até durar oito segundos!

E sai Ana Raio com akela cara fechada, firme, triunfante. Em momento algum ela desviou o olhar dos olhos de Zé, falou com firmeza sem hesitar ou choramingar. Nossa, sou fã da Ana Raio agora!


Estava pensando na minha crise de ontem: eu tava me colocando muito do lado de fora, por isso tava conseguindo ver as coisas, aceitar um pouco melhor. Mas de repente eu me vi dentro de novo, a parte machucada, rejeitada, dolorida... acho que por iso desabei, digo acho porque nõ tenho certeza, nunca temos certeza do que somos ou sentimos. Ana tem certeza e não vai se deixar levar pelo que sente por Zé... ela ainda disse: "Não vou ficar com vc até vc resolver sua situação". Ele podia simplesmente deixar ela pra la e arrumar outra, mas como eh novela e eles são o nucleo, eles vao ficar juntos, obviamente rsrsrs... Acreidto que isso possa acontecer na vida real, mesmo com seu orgulho de macho, ele pode realmente querer ficar com ela, amar de verdade, e ter de decidir a vida logo, sem medo de errar, porque a escolha pelo amor nunca é um erro, nunca. Pois é, estou do lado de dentro da minha historia novamente e minha visão começou a subjetivar de novo. E ele me disse que a vontade de ficar comigo passou no momento em que percebeu que eu era bi...ops, que eu não conseguia controlar meus sentimentos rsrsrsrs. Mas, espera: sentimentos ruins controlamos, não podemos sair matando as pessoas só por ter raiva de algumas, controlamos desprezo, raiva, tristeza, etc...controlar o que é bom e faz bem tanto pra um quanto pra outro? controlar a paixão, o amor? Controlar atitudes pode ser, como tenho bem controlado as minhas, não faço nenhuma loucura, não mandei a rosa q pensei em mandar no dia dos namorados, nao apareci linda e maravilhosa com cabelo liso na frente dele, não faço loucuras, o que faço, que parece ser meu erro, é dizer o que sinto a ele. Controlar o que dizer também? pocha vida, onde fica a liberdade de expressão? Na verdade, ela não é tolhida, mas ai temos que arcar com a reação do outro, que quase sempre não é o que esperamos. Criamos expectativas boas por causa dos sentimentos bons que temos, mesmo que a pessoa te corte o tempo todo com nenhuma sutileza. Pocha! Poxa! ser humano é ser sofredor! (ser mulher, sobretudo) rsrsrs...estou me alienando de novo, laughing at myself? Sim, tenho me alternado entre alienação e encarnação do problema. Encarnar eu mesma ou meu personagem. Talvez tenha mais um filme amanhã. Aguardem!Bye.

Comentários

Amanda... disse…
Ei, Rebeca: Vai toma no c*** com esse post! kkkkkkkkkkkkkk Amo vc!

Postagens mais visitadas deste blog

A fase do não

Lídia tem me dito muito não ultimamente. E haja paciência para lidar com isso! Uma mulher que trabalha, tem casa, marido e uma filhinha pequena realmente tem problemas com ser paciente. Tudo que envolve ser uma boa mãe fica ameaçado quando não se pode dedicar-se à criança integralmente. E toda mãe tem, de dois, um dos sonhos: poder dedicar-se integralmente ao seu rebento ou sair para trabalhar sem sentir-se culpada. O primeiro ainda é possível de conseguir para algumas afortunadas; já o segundo... Bem vinda ao mundo da maternidade!

Bom, os nãos da Lídia só não são mais problemáticos porque sua alegria impera e nos contagia. Ainda bem que já estou de "férias" (duas semaninhas de julho) e posso acompanhar melhor a pequena com toda sua cantoria, obra da escolinha e dos videos da galinha pintadinha. Além da galinácea, no menu temos Peppa Pig, O show da Luna, Mundo Disney e por aí vai. Na festa da família na escolinha, a professora bem que tentou fazer os pequenos falarem os ver…

Personas

O top virou peça de dormir. O shortinho de academia, bem, uso em casa mesmo. A disposição pra levantar de manhã cedo e ir caminhar depois de colocar a filhotinha na van se foi, preciso dormir mais, obra do cansaço. Qualquer roupa tá bom. Me arrumar? Quando dá. Se der, deu, se não der, paciência.

Em pleno dia do rock, o dia foi pauleira mesmo. Muita prova de recuperação, aluno enchendo por causa de pontos, ter que manter a todo custo o aluno em sala de aula fazendo alguma coisa, ufs! Conselho de classe e entrega de notas foram pra agosto, thanks God! Mas o dia deixou suas marcas. Uma forte dor de cabeça me tomou desde cedo, tomei um remédio - sim, automediquei-me - e passou, mas me deixou um tanto ligada o comprimido marrom que contém cafeína.

Não tenho tempo para mim, mas tento. Estou fazendo um curso online de musicoterapia e a música é minha melhor terapia. canto mal, mas espanta mesmo os males! Não é fácil conciliar todas as personas: mulher, mãe, professora, esposa, dona de casa,…

Primeira postagem 2016

Nem me dei conta de que hoje foi sábado. Os dias aqui, para mim, passam como se fosse uma coisa só: todo dia, "nada" pra fazer - ócio criativo, talvez, apesar de que não tenho criado nada. Mas tenho visto e lido de um tudo: muitos filmes (Império, Transcendence, Mad Max, etc) e alguns livros (Conto de Natal, de Charles Dickens e sobretudo a Bíblia). Ganhei a Bíblia da Mulher e tenho me alimentado bem dela.
esqueci de pegar foto no face
Viajar pra casa dos pais é voltar ao passado infantil. É bom e mau ao mesmo tempo, nos deparamos sempre com algumas mágoas, algumas falhas, alguns concertos. Certas relações a gente não entende porque é do outro; briga, chora, grita, se enraivece e, por fim - maturidade! - aceita e toca o barco.
Tem chovido bem em Sampa. Hoje a água caiu mesmo. Minha mãe e irmã viajaram pra Goiás. E eu cá estou com a minha moreninha, esperando a boa vontade do governo estadual pra voltar pra Bh. Na verdade faremos uma ponte Viçosa-BH. É bom viajar a sós, só co…