Pular para o conteúdo principal

Pretty interesting

eu na minha mania de androginia, vestindo um coat meio masculino. nao sei pq quis colokar foto mnh nesse post. cala a boca, Freud!

Estava lendo um texto de dicas para motivar os estudantes, e me deparei com essa, muito, muito...boa, não só interessante, mas de uma singeleza tamanha q...nao sei, me deu um estalo. Eis a dica:

Remember that energy sells. Think about these problems for a minute: Why would so many students rather see Rambo, Robocop, Friday the 13th, or another movie like that than one on the life of Christ? Why is rock music more popular with youth than classical music or Christian elevator music? Why is evil often seen as more interesting than good? The answer is connected with the way good and evil are portrayed. Unfortunately, evil usually has high energy on its side while good is seen as passive and boring. We've been trapped by the idea that "bad people do; good people don't." Good is passive, resistant, reactionary, while evil is proactive, energetic, creative.
In a typical cartoon where Sylvester the cat is trying to catch and eat Tweety bird, the cat is highly creative, inventing several ways to get at Tweety. Meanwhile, the guard dog is passive and waits until the cat comes within range before spoiling his plans by beating him up. Here is the unfortunate problem: in the theological scheme of things, the cat is the devil and the dog is God. The cat is admired because of his creative energy; the dog is just a boring policeman. This problem is not new--in the seventeenth century, Milton's Paradise Lost was criticized because Satan was a more interesting character than God, because Satan was the one with the energy.
The lesson here is that we must begin to associate our heroes and our truths with energy. Don't portray Jesus as a wimpy good guy--the "gentle Jesus, meek and mild"; show him as dynamic, exciting, and energetic. Present his turning over the money changers' tables, his power and energy in multiplying the loaves and fishes, and so on. Likewise, make a point to show that evil is often lazy, uncreative, predatory, tired, recycling the same old boring temptations, etc. etc.
Why does heaven sound boring to a lot of kids, while they think that all the really interesting people will be in hell?
Being energetic in your teaching is a motivating factor in itself; adding energy to the ideas you want to convey will further enhance learning and commitment to the ideas.

desculpem, nao traduzi, mas pra quem entendeu, isn't it amazing? De repente comecei a ver Jesus sorrindo, feliz, pregando, curando, feliz por sua vida, por cumprir a vontade do pai, e não um homem serio, reprimido. Creio que Jesus foi muito feliz nessa terra e tbm se entristeceu muito com a miséria humana sendo que a solução nos ronda de tão perto; sendo que o Pai sempre está a nos estender a mão para ajudar, e sempre o rejeitamos com nossa maldade. E o lado mal, como diz o texto, é sempre mais interessante, parece mais atrativo. E, como aconselhou o autor, devemos começar a ver o lado positivo, o bom, como energetico e inrteressante tbm. O lado bom é bom, e não boring. É o melhor. É o certo. (pq sera q sempre faço o errado?...)

Jesus, meu ideal.

Changing the subject, Ulysses de novo. Hj nao teve um novo filme com Doida Summer. Encarnei Penélope novamente. Pensando em pedir ele em namoro! e como fica I? ... não sei...e meu coração? ainda é de C... engraçado...sou muito poligama mesmo. mas nao preciso decidir nada pq ninguem me cobra nada, nennhum sabe do outro, isto é, I sabe de C q de alguma forma sabe de I, mas ambos nao sabem de Ulysses. saberão agora se eu mandar o link rsrs. E eu presto? nao!!

só sei que amanhã Penélope estará na porta de sua casa em Ítaca esperando seu amado, seu porto, seu seguro, seu ideal, sua fonte de prazer e joy.

Ulysses. Ulysses, sempre ele, com seu unknown number no meu celular. Bye.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…