Pular para o conteúdo principal

Terminando a monografia - a cartada final

Em um fim de semana conturbado e turbulento, Doida Summer procura terminar sua monografia. estressada, encontra-se com Mister Simple Man, que a consola de forma convincente (hehehe...). Ao voltar para casa, Doida depara-se com um bando de desconhecidos em sua sala. Querendo dormir, fecha a cara para todos e vai para o quarto, sabendo que tudo akilo é obra de Miss "The Truth" que, apesar de não morar mais lá, ainda se acha a dona da casa. contraditória, quando ainda lá morava, em sua época de monografar, não permitia que uma agulha caíssse no chão.

Após muito estresse, Doida Summer consegue dormir e acorda bem disposta no dia seguinte para trabalhar em sua monô. Finalmente feliz por ter terminado tal trabalho, Doida envia-o para sua orientadora, Misses Sunshine. No mesmo dia Doida recebe a monô de volta com milhões de correções, o que a desanima deveras. No domingo, Doida procura se preparar fisicamente arrumando a casa, suas coisas, sua mesa, e lavando o banheiro. Após isso, ela senta o rabo na cadeira e começa a saga para corrigir a monô.

No dia seguinte, uma segunda-feira-feriado, Doida acorda e vai direto para seu notebook no intuito de terminar a bendita monô. Ao reenviar uma parte desta para Misses Sunshine, Doida sente uma pressão no peito que a empurra para trás. Enconstada na cadeira, ela quase cai, perdendo as forças, e começa a escrever seu testamento mentalmente, esquecendo de pontuar: "Deixo meus bens à minha irmã não a meu sobrinho jamais será paga a conta do alfaiate nada aos pobres...". recuperando-se rapidamente, porém ainda tremendo, Doida vai almoçar. Voltando, ela começa a mexer nas outras partes da monô, sem dar aquela dormidinha pós-almoço. Mais tarde, Doida vai buscar seus convites de colação de grau. Após 1h30 numa enorme fila, ela finalmente pega tudo e volta para casa empolgada, feliz com tudo se encaminhando para sua formatura (menos a monô...).

Ao deparar-se com seus convitinhos, Doida se admira com a beleza da moça das fotos, mas acredita piamente que cometeram um engano, entregando-lhe os convites com a foto da pessoa errada. Porém, ao ver os dizeres do convite, ela reconhece o que escreveu. photoshop!!!!Doida entra no orkut e avisa seus familiares que os convites já chegaram, pedindo a eles que lhes mande seus endereços. Seu irmão, Doido, lhe envia sem lembrar-se de que obviamente o endereço de casa ela já tinha, dã!! Em sua página de recados, Doida recebe um convite de Guapa Girl, chamando-a para tomar umazinha. Intimada a terminar a monô, Doida é obrigada a recusar tal convite.

Carente de pessoas que lhe tenham, estima, Doida conversa by msn com Mister perfect, Mister ex-tranho e Mister Nice Guy, que primeiro a ignora, depois massageia seu ego hehehe...Mais tarde, Doida também conversa com Mister Simple Man. Para todos esses ex, atuais e duvidosos, Doida conta suas lamúrias, fazendo os rapazes logo darem um jeito de sair de fininho...
 
Continuando a trabalhar em sua monô, Doida finalmente (aparentemente) a termina depois da meia noite e a re-reenvia para Misses Sunshine, desligando logo o notebook para não ver na mesma hora uma re-re-re-re-resposta.
 
Comments: nessa película, é impressionante a invasão, isto é, a atuação de Bebeta Figo. Inicialmente, a atriz não fora convidada, mas não poderia deixar de atormentar, isto é, de participar de um filme ao lado de rebeca DeHoney, a quem tanto estigmatiza, ops, estima hehe.
 
cast:

Rebecca DeHoney como Doida Summer
Amandita Baker em ótima atuação virtual como Guapa Girl
Bebeta Figo na atuação invasiva de Miss “The truth”
Ana Maria Mara! Como Missses Sunshine

Coadjuvações:

C. J. Swords interpretando Mister Perfect
Rael Rose como Mister Nice Guy
Nill kids on the block como Mister ex-tranho
Dedé Cacá como Mister Simple Man
Mano Brown no papel de Doido Summer

Frases importantes do filme:

- Mister Ex-tranho, você me acha bonita?
- sim, pq de La pregunta?
- ah, é que to bonita d+ nesse convitinho aki...
- photoshop!!
-ah!...

-Mister Perfect, eu sou bonita?
- vc que vive se axando feia!
- hehehe....

-Mister Nice Guy, estou carente!
- hmm não provoca não, hein!
- eu?!
- sim...ah se eu te pego... hmm...to morrendo de vontade de vocêeeeeeeeeee!!

- e ai, como foi lá em OP, Mister Simple Man?
- foi legal.
- ah, que bom ( ironicamente...)

- oi amiga! Ai que saudade! Vc sabe que mexe comigo neh?
- si, nosotros compartímos sentimientos muy fuertes!
- então, bamo-nos...ops, vamos a beber una cierva!
- yo no puedo! No puedo envolver-me com La cierva! Oje estoy com La monographía!
- sniff...
- don’t cry for me, Argentina!

Análise psíquica: Fróid explica!!
“O comportamento de Doida Summer é visivelmente um complexo de gringo, visto que ela não rompe com ninguém, posto que não tem em vista magoar ninguém. Ao menos ela foi sincera ao recusar a cerva porque no momento havia que dar atenção exclusiva à monografia, mais importante naquele momento. Agora, distanciada da situação, Doida pode ver com clareza e escolher. Seu emocional masoquista já escolheu Mister Perfect, cuja lembrança lhe proporciona dor-prazer. Essa necessidade é parcialmente suprida por Mister Simple Man, que lhe dá uns arroxos de vez em quando. Com Mister Nice Guy, a situação é complicada...talvez meu discípulo possa explicar...”

C. G. Jung: “Eu?? Se tu não o explicas, Fróid, frodeu tudo!



Comentários

Sofia de Buteco disse…
Muy bien muchacha! jajjajaa
Adorei a parte em que seu irmão te manda o endereço da SUA casa! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Beijo!
Rebeca disse…
haha páginas da vida rsrs

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…