Pular para o conteúdo principal

Hora de ir embora...


Tem hora que é hora de ir. É quando você se sente presa no passsado; é quando os ex começam a namorar e você percebe que a vida deles continua pós-você, ou seja, você foi nada. É quando você se iirita com as criancices dos calouros, a vida ociosa dos outros que tem férias enquantro você trabalha; é perceber que sim, realmente você está presa no passado: formada e morando no alojamento, trabalhando e tendo que aturar as outras vidas à sua volta que nada têm a ver com a sua. É quando você sente certa saudade de casa, de mãe, de pai, mas sabe que não pode voltar por n motivos...

É a hora quando você se pega olhando as fotos da sua formatura, as fotos dos seus sobrinhos que vão crescer sem uma orientação descente, ou seja, sem a sua neh...e você lembra que seu pai e sua mãe nunca estiveram felizes e satisfeitos com suas próprias vidas e você nao quer isso pra si mesma. É quando voc~e tem seus projetos e planos, e nao tem dinheiro, e se vê formada, trabalhando, ganhando razoavelmente bem e conhece alguem que mal terminou o segundo grau, mas que te faz bem e te quer perto, ao contrario dos universitários pomposos; é quando você se sente completamente pronta pra casar e ser mãe, mas a pessoa está totalemente em outra fase e não é a hora dela pensar nisso; e aí você começa a fazer as contas de quando ele vai pensar nisso, se estiverem juntos ainda, e ai você percebe que talvez já não vai querer ser mãe, pq isso não faz muito parte dos seus planos, mas você quer tentar. E ele ainda vai ser um garotão...

É hora de ir embora quando você se sente muito responsável por seu trabalho, isto é, completamente responsável por seus alunos; é quando vc pensa, sim, quem sabe eu não posso voltar a dar aulas para as crianças e ganhar mais - vc nao pensou nisso só pra ganhar mais... É quando vc quer ficar e quer ir; é quando a cidade se tornou pequena demais e vc nao tem onde se esconder das pessoas... é quando você decidiu partir e só prcisa de motivação, de uma mola propulsora que te arremesse longe... ou nem tão longe assim, pq vc quer voltar sempre que puder, principalmente nos 5 anos de formatura da sua turam e na semana do fazendeiro e nos aniversario da sua amiga. É quando vc teme morar com ela tbm teme ir embora e afastar-se dela...

É hora de ir embora que você está estranahmente e aparentemente satisfeita consigo mesma, achando que não precisa mudar e o inferno são os outros; é quando vc tem certeza que o amor não é pravc e nem a maternidade, ainda que sinta uma louca vontade de cuidar dos seus sobrinhos, pq eles não são seus neh... é quando vc quer muito dinheiro pra si mesma e pra dar uma vida decente ao menos na velhice de seus pais. É quando vc se sente muito responsável tbm por sua familia e chama de sua familai seus pais e irmãos, sem nenhuma perspectiva de criar sua própria um dia... é quando a sua ansiedade cresce tanto que vc acha q lavar roupa é uma terapia - funciona como uma! - e vicia em caminhadas e corridas, e nao tem paz se nao se mecher - frutos dos cinco anos acadêmicos...

É hora de ir embora quando vc acha que deveria ter ido embora assim que terminou a graduação, e não um ano depois, na mesma cidade, na mesma vida... é quando vc percebe que é uma boa profissional, mas ainda precisa aprender muito e não aprenderá nada parada no mesmo lugar... é quando vc, entendendo tudo isso, resolve encarar o desafio de um intercâmbio e não vai por falta de la plata, a mola do mundo - vê, vc passou na prova, tem proficiência na língua, está pronta, mas vc ne pas d'argent. É quando vc percebe como o seu país é sim rico, pois pode pagar tanto para senadores e toda a corja dos politicos instalados em Brasilia, no entanto, não "pode" te pagar mais, não "pode" asseguar que o intercâmbio para um aluno de Letras, que vai lidar com a lingua daquele país, possa ser realiozado, que vc possa viajar pra lá e ter vivência com os falantes nativos, algo crucial para quem se forma em Inglês!!!

É hora de ir embora quando vc não se cuida mais muito bem e passa a acompanhar os jogso da Copa América. Opa, tá na hora!! 16h, Brasil e Paraguai, fui!!

...

Comentários

Sofia de Buteco disse…
para onde vais?

também to precisando ir embora, mas to cada vez mais cega.
Rebeca disse…
nao sei pra onde, mas só vou ano q vem...

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…

Homens marinheiros

Marinheiro - Adriana Calcanhotto



O meu amor me deixou
levou minha identidade
não sei mais bem onde estou
nem onde há realidade

Ah, se eu fosse marinheiro
era eu quem tinha partido
mas meu coração ligeiro
não se teria partido

ou se partisse colava
com cola de maresia
eu amava e desamava
surpreso e com poesia

ah se eu fosse marinheiro
seria doce meu lar
não só o Rio de Janeiro
a imensidão e o mar

leste oeste norte sul
onde o homem se situa
quando o sol sobre o azul
ou quando no mar a lua

não buscaria conforto
nem juntaria dinheiro
um amor em cada porto

Ah se eu fosse marinheiro..
não pensaria em dinheiro
um amor em cada porto..
Ah se eu fosse marinheiro..

O meu amor me deixou,
levou minha identidade
nao sei mais bem onde estou
nem onde ha realidade

Ah, se eu fosse marinheiro
era eu quem tinha partido
mas meu coração ligeiro
nao se teria partido
ou se partisse colava
com cola de maresia

Homens são marinheiros, trabalhadores de um dia que vêm ,aportam, conquistam, usam, amam por uma noite e se vão…