Pular para o conteúdo principal

Ampulhetando


Mandei consertar o relógio que vovó me deu. Mandei emoldurar minha foto de formatura. Arrumei meu quarto, pus ordem nas caixas, no guarda-roupa, na bagunça toda. Ouvi música alta, escrevi sonetos. Colei a foto do Michael Jackson na porta e do Leonardo DiCaprio na parede ao lado, ambos novinhos ainda - sim, ainda tenho os resquícios da adolescência perdida em mim. Tô baixando a música "You give me something", do James Morrison. Meu dente inchou...

Frases no facebook surtem efeito e uma simples pergunta me rendeu um telefonema. Tentei um encontro pessoal pra uma conversa, mas diante da recusa, tudo foi dito e "explicado" pelo celular mesmo. Histórias antigas que se imbricam no que poderia ser a promessa do novo. Histórias que eu não sou obrigada a entender, e nem o outro a explicar.

Eu choro ainda, não pela perda da promessa ou pela perda de um amor, mas pela perda do respeito, da possível amizade e da lealdade. "Me esquece" eu disse, e apesar da dor e tristeza, senti um profundo orgulho de mim por ter sido firme. Bravo! Só eu sei o quanto isso me custa...

Estou aqui, menos idiotizada, com menos raiva, mais "relax". James Morrison, Jamiroquai, Travis, Train, tudo bem, é assim. Dessa vez não é simples conformação, é auto-conheciemnto e aceitação que vem com as tempestades da vida. Passou a minha "Virtual Insanity", e quero deixar pra lá; não olhar fotos ou perfis.

Ainda há um fato a aacontecer, e não sei quando há de ser, que é o que mais me preocupa. Será? estou na fase da reflexão e desapego, não desapego de não estar nem ai pra nada ou ninguém, mas no desapego daquilo ou de quem eu não devo, ou não posso, simplesmente. Não sei se é certo ou errado não mais insisitir, mas é o meu certo agora.

Tenho dado aulas ruins, e isso precisa mudar. estou sem motivação e preciso encontrá-la por mim mesma. É legal, mas é uma tarefa árdua que sempre tive que encarar nessa vida: encontrar o meu bem-estar, um lugar ao sol, ainda que sombreado, tudo por mim mesma. meus filhos, se os tiver, terão outra vida, mais facilidades, mais regalias, e já sinto inveja deles, sentimento do qual preciso me livrar. Preciso ser melhor: melhor professora, melhor colega de trabalho, melhor amiga, melhor vizinha, melhor comigo mesma.

Recebi um comentário interessante num poema que postei no recantodasletras. A pessoa disse que via q eu, ainda a sofrer, continuava amando. É isso mesmo. Não, não amo especificamente alguém, mas amo porque o amor está em mim, se é que dá pra entender isso que sinto. E é isso mesmo.

"And I won't sleep tonight!" ("Animal" - Neon Trees). Bye!
...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…