Pular para o conteúdo principal

Extração

"Senhor, meu Deus, a ti clamei por socorro, e tu me saraste". (Salmo 30: 2)*

Maragarida, ou Daisy, em inglês.
Ontem fui ao dentista por estar com um pouco de dor e inchacho, aí ele me perguntou se íamos fazer o procedimento, ou seja, a extração. Fiquei uns segundos, já que não fazia muita diferença adiar, eu teria que extrair de qualquer jeito, então falei, vamos. Ele me mnadou ir em uma farmácia, tomar 4 comprimidos e voltar. Fiz e voltei. Lá chegando, a secretária me perguntou se tinha algu´me pra me levar depois. Me assustei, o negócio ia ser tão drástcio assim?? Ela explicou que era só proque eu iria tomar um remédio que me faria ficar sonolenta, e que depois poderia ficar confusa. A princípio eu disse que não, mas uma amiga me ligou mais cedo e ai resolvi ligar pra ela. Tudo acertado, a secretária me passou dois remedinhos fininhos e azuis - não, não era viagra!! - e perguntou algum tempo depois se eu estva com sono. Eu disse que não, mas 5 minutos depois estava já cochilando, sem perceber. Ela me acordou e fui para o paredão, isto é, para a cadeira de tortura, conhecida como a cadeira do dentista. Estava tão sonolenta que praticamente dormi lá, mas ainda senti as picadinhas da anestesia, e os puxões e tudo. Acho que logo após a intervenção, eu dormi de novo, porque ficaram me chamando algumas vezes até eu realmente ouvir e saber que a minha amiga já estava do lado de fora me esperando. Pegamos um táxi e passei a noite na casa dela. Voltei para casa hoje de manhã, tomando os medicamentos e me sentindo bem, mas meio trêmula. Tive que parar no meio da "pequena" escada que me leva em casa porque me deu tonteira, mas consegui chegar. Agora estou aqui, sem poder fazer quase nada e nem mesmo comer direito. Hoje não vou trabalhar e vou ficar aqui, quietinha em casa, aproveitando pra adianter leituras. Recebi o primeiro número da Ultimato, revista cristã que assinei. Já tentei um estágio lá uma vez, mas me pareceu, com a recusa, que eles preferem ovelhas do mesmo rebanho, isto é, pessoas que frequentem a Igreja Presbiteriana. Não mudei para esta porque senti um pouco de preconceito e nariz empinado. Bom, não vamos entrar em detalhes, até porque costumava ir lá de vez em quando e meu culto de formatura foi lá, aliás, um dos melhores momentos da minha formatura.

Não vou poderi ir hoje buscar a foto da minha formtura que mandei emoldurar, e deve ter ficado um luxo, porque caro ficou! Mas já tenho quem vá por mim, se tudo der certo! Aguardem cenas dos próximos capítulos... bye!

...
* versão Almeida Revista e Atualizada

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Cabana

Estreando essa Coluna de quinta, vou falar sobre o filme A Cabana (The Shack). Demorei um bocado para falar sobre o filme, minha vontade quando assisti o filme foi sair dali e correr pra fazer uma resenha linda, elogiando altamente o filme. Porém ponderei e deixei a emoção esfriar. A maioria dos cristãos, os mais estudados, está fazendo duras críticas ao filme. Este vídeo é bem interessante e prova disso. Não discordo dele em muita coisa, porém em algumas coisas discordo e vou explicar o meu ponto de vista. O MEU ponto de vista. Este outro vídeo já fala bem, levando em consideração apenas a mensagem geral do filme: que Deus deseja ter um relacionamento pessoal com cada um de nós. E isso, para nós cristãos, é um fato.

Desde que li o livro e soube do projeto do filme, porque já havia a ideia de transformá-lo em filme, fiquei na expectativa do filme. Confesso que quando leio, não consigo visualizar bem o que está escrito, e um filme me ajuda muito. Aí saiu e qual não foi a surpresa quan…

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…