Pular para o conteúdo principal

Perdendo os dentes sem tofú

Dexametasona

Preciso ler coisa de outras pessoas, outras biografias, me achar em outras linhas. Que escrevam sobre mim, como na minha biografia de final de graduação, em que fiquei retratada como uma festeira de plantão. Aquela fui eu por um tempo. E quando meu professor de matemática me escreveu no final do ano, no ultimo ano em que eu o veria? Colocou palavras bonitas lá, não sei se realmente conseguia enxergar toda aquela bondade e esperteza e beleza e perspicácia em mim, mas eu gostei, apesar do desconforto que os elogios me trazem. Não aceito bem nem elogios nem críticas, simplesmente.

Que diria de mim alguém que me conheceu agora, como meu professor de teclado, o pastor da igreja dele, e outros que passaram rápido por mim e só disseram oi, paz? Me intriga o jeito como as pessoas vêm umas às outras.

Eu nunca soube ou tenho/tive uma ideia não muito clara de como os últimos quatro homens que fizeram diferença na minha vida me viam/veem, se é que ainda pensam e sabem que existo e continuo com uma dificuldade enorme em reagir diante das coisas. Minha digestão é lenta como uma gestação. Quando estou pra parirm, os outros já tem os filhos crescidos, criados, é tudo muito estranho, é como se a frieza ou indiferença fosse o diferencial, o certo a se sentir, ou como agir. Estou errada? Fui acusada de estar errada por achar que estou errada... como asssim? Então eu vou fechar os olhos e dizer, não tive nada a ver com isso, a culpa não foi minha, agi da forma que deveria ter agido? Ainda não alcancei tal grau de maturidade ou avanço, se é que isso é um avanço...

No RecantodasLetras tenho recebido comentários altamente positivos sobre meu trabalho. É uma coisa totalmente não-valorizada pela sociedade, e eu jamais poderei viver de escrever poemas, mas é uma parte extremamente crucial da minha vida, como se eu não pudesse fazer mais nada além de escrever. Escrever poema é o meu cantar, o meu tocar. É o meu dizer que estou de mal do mundo e não me compreendo e acabo sempre amando mais o outro do que a mim mesma por inveja, por querer ser normal. "As pessoas mais felizes são precisamente as mais ignorantes" disse  Conrado, personagem de Malvino Salvador no filme "qualquer gato vira-lata". Às vezes acredito nisso, às vezes duvido, nada é certo.

Não creio que fazemos o que é certo e pronto, que se dane o outro. Sempre haverá a possibiliadde de ter feito melhor, mas pensar nisso mata poruqe o momento já foi, haverá outro, outros, mas as circunstâncias serão outras e o segundo preciso já foi perdido. Pensar no fluxo do tempo que escapa pelas minhas mãos é outra perda de tempo, nada há que se fazer. Essa praga de impotência mata também, principalmente porque penso nessas questões o tempo todo. Parar de me preocupar, viver, relaxar? Haha, essa não sou eu, I'm sorry.  O grande erro e o maior acerto é ser você, que ironia.

E o post-mortem? Ainda tenho uma sensação nítida de que vou morrer sem reconhecimento e quem vai receber os louris depois são os amigos e familiares. descendentes? Quem sabe, mas não consigo ver posssibilidades reais de ter descendentes no momento. Dizem-me relaxa, você tá nova, mas mulher tem essa questão limitada não é, enquanto um homem pode ter filhos até sua velhice. A gente é toda limitada, mas tem um que a mais que homem precisa, mas eles sempre se acham auto-suficientes, precisam só da mamãe. Preciso do papai? Não!!

Vou lá pra mais uma dose de dexametasona e dipirona sódica. terça-feira volto no dentista e esse martírio nunca acaba. Coração vazio, cratera na gengiva. vamu que vamu!

...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Cabana

Estreando essa Coluna de quinta, vou falar sobre o filme A Cabana (The Shack). Demorei um bocado para falar sobre o filme, minha vontade quando assisti o filme foi sair dali e correr pra fazer uma resenha linda, elogiando altamente o filme. Porém ponderei e deixei a emoção esfriar. A maioria dos cristãos, os mais estudados, está fazendo duras críticas ao filme. Este vídeo é bem interessante e prova disso. Não discordo dele em muita coisa, porém em algumas coisas discordo e vou explicar o meu ponto de vista. O MEU ponto de vista. Este outro vídeo já fala bem, levando em consideração apenas a mensagem geral do filme: que Deus deseja ter um relacionamento pessoal com cada um de nós. E isso, para nós cristãos, é um fato.

Desde que li o livro e soube do projeto do filme, porque já havia a ideia de transformá-lo em filme, fiquei na expectativa do filme. Confesso que quando leio, não consigo visualizar bem o que está escrito, e um filme me ajuda muito. Aí saiu e qual não foi a surpresa quan…

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…