Pular para o conteúdo principal

Perdendo os dentes sem tofú

Dexametasona

Preciso ler coisa de outras pessoas, outras biografias, me achar em outras linhas. Que escrevam sobre mim, como na minha biografia de final de graduação, em que fiquei retratada como uma festeira de plantão. Aquela fui eu por um tempo. E quando meu professor de matemática me escreveu no final do ano, no ultimo ano em que eu o veria? Colocou palavras bonitas lá, não sei se realmente conseguia enxergar toda aquela bondade e esperteza e beleza e perspicácia em mim, mas eu gostei, apesar do desconforto que os elogios me trazem. Não aceito bem nem elogios nem críticas, simplesmente.

Que diria de mim alguém que me conheceu agora, como meu professor de teclado, o pastor da igreja dele, e outros que passaram rápido por mim e só disseram oi, paz? Me intriga o jeito como as pessoas vêm umas às outras.

Eu nunca soube ou tenho/tive uma ideia não muito clara de como os últimos quatro homens que fizeram diferença na minha vida me viam/veem, se é que ainda pensam e sabem que existo e continuo com uma dificuldade enorme em reagir diante das coisas. Minha digestão é lenta como uma gestação. Quando estou pra parirm, os outros já tem os filhos crescidos, criados, é tudo muito estranho, é como se a frieza ou indiferença fosse o diferencial, o certo a se sentir, ou como agir. Estou errada? Fui acusada de estar errada por achar que estou errada... como asssim? Então eu vou fechar os olhos e dizer, não tive nada a ver com isso, a culpa não foi minha, agi da forma que deveria ter agido? Ainda não alcancei tal grau de maturidade ou avanço, se é que isso é um avanço...

No RecantodasLetras tenho recebido comentários altamente positivos sobre meu trabalho. É uma coisa totalmente não-valorizada pela sociedade, e eu jamais poderei viver de escrever poemas, mas é uma parte extremamente crucial da minha vida, como se eu não pudesse fazer mais nada além de escrever. Escrever poema é o meu cantar, o meu tocar. É o meu dizer que estou de mal do mundo e não me compreendo e acabo sempre amando mais o outro do que a mim mesma por inveja, por querer ser normal. "As pessoas mais felizes são precisamente as mais ignorantes" disse  Conrado, personagem de Malvino Salvador no filme "qualquer gato vira-lata". Às vezes acredito nisso, às vezes duvido, nada é certo.

Não creio que fazemos o que é certo e pronto, que se dane o outro. Sempre haverá a possibiliadde de ter feito melhor, mas pensar nisso mata poruqe o momento já foi, haverá outro, outros, mas as circunstâncias serão outras e o segundo preciso já foi perdido. Pensar no fluxo do tempo que escapa pelas minhas mãos é outra perda de tempo, nada há que se fazer. Essa praga de impotência mata também, principalmente porque penso nessas questões o tempo todo. Parar de me preocupar, viver, relaxar? Haha, essa não sou eu, I'm sorry.  O grande erro e o maior acerto é ser você, que ironia.

E o post-mortem? Ainda tenho uma sensação nítida de que vou morrer sem reconhecimento e quem vai receber os louris depois são os amigos e familiares. descendentes? Quem sabe, mas não consigo ver posssibilidades reais de ter descendentes no momento. Dizem-me relaxa, você tá nova, mas mulher tem essa questão limitada não é, enquanto um homem pode ter filhos até sua velhice. A gente é toda limitada, mas tem um que a mais que homem precisa, mas eles sempre se acham auto-suficientes, precisam só da mamãe. Preciso do papai? Não!!

Vou lá pra mais uma dose de dexametasona e dipirona sódica. terça-feira volto no dentista e esse martírio nunca acaba. Coração vazio, cratera na gengiva. vamu que vamu!

...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fase do não

Lídia tem me dito muito não ultimamente. E haja paciência para lidar com isso! Uma mulher que trabalha, tem casa, marido e uma filhinha pequena realmente tem problemas com ser paciente. Tudo que envolve ser uma boa mãe fica ameaçado quando não se pode dedicar-se à criança integralmente. E toda mãe tem, de dois, um dos sonhos: poder dedicar-se integralmente ao seu rebento ou sair para trabalhar sem sentir-se culpada. O primeiro ainda é possível de conseguir para algumas afortunadas; já o segundo... Bem vinda ao mundo da maternidade!

Bom, os nãos da Lídia só não são mais problemáticos porque sua alegria impera e nos contagia. Ainda bem que já estou de "férias" (duas semaninhas de julho) e posso acompanhar melhor a pequena com toda sua cantoria, obra da escolinha e dos videos da galinha pintadinha. Além da galinácea, no menu temos Peppa Pig, O show da Luna, Mundo Disney e por aí vai. Na festa da família na escolinha, a professora bem que tentou fazer os pequenos falarem os ver…

Personas

O top virou peça de dormir. O shortinho de academia, bem, uso em casa mesmo. A disposição pra levantar de manhã cedo e ir caminhar depois de colocar a filhotinha na van se foi, preciso dormir mais, obra do cansaço. Qualquer roupa tá bom. Me arrumar? Quando dá. Se der, deu, se não der, paciência.

Em pleno dia do rock, o dia foi pauleira mesmo. Muita prova de recuperação, aluno enchendo por causa de pontos, ter que manter a todo custo o aluno em sala de aula fazendo alguma coisa, ufs! Conselho de classe e entrega de notas foram pra agosto, thanks God! Mas o dia deixou suas marcas. Uma forte dor de cabeça me tomou desde cedo, tomei um remédio - sim, automediquei-me - e passou, mas me deixou um tanto ligada o comprimido marrom que contém cafeína.

Não tenho tempo para mim, mas tento. Estou fazendo um curso online de musicoterapia e a música é minha melhor terapia. canto mal, mas espanta mesmo os males! Não é fácil conciliar todas as personas: mulher, mãe, professora, esposa, dona de casa,…

Primeira postagem 2016

Nem me dei conta de que hoje foi sábado. Os dias aqui, para mim, passam como se fosse uma coisa só: todo dia, "nada" pra fazer - ócio criativo, talvez, apesar de que não tenho criado nada. Mas tenho visto e lido de um tudo: muitos filmes (Império, Transcendence, Mad Max, etc) e alguns livros (Conto de Natal, de Charles Dickens e sobretudo a Bíblia). Ganhei a Bíblia da Mulher e tenho me alimentado bem dela.
esqueci de pegar foto no face
Viajar pra casa dos pais é voltar ao passado infantil. É bom e mau ao mesmo tempo, nos deparamos sempre com algumas mágoas, algumas falhas, alguns concertos. Certas relações a gente não entende porque é do outro; briga, chora, grita, se enraivece e, por fim - maturidade! - aceita e toca o barco.
Tem chovido bem em Sampa. Hoje a água caiu mesmo. Minha mãe e irmã viajaram pra Goiás. E eu cá estou com a minha moreninha, esperando a boa vontade do governo estadual pra voltar pra Bh. Na verdade faremos uma ponte Viçosa-BH. É bom viajar a sós, só co…