Pular para o conteúdo principal

Disfarces



Normal as pessoas saírem das nossas vidas, perdemos contato, nos perdemos... normal quando não queremos mesmo alguém por perto e repelimos a pessoa. Só dói quando é com a gente. Dói quando, por mais que o tempo passe, a coisa não passa. Você já passou praquela pessoa, mas ela, tal como se fosse outro dia mesmo que se esbarraram, não passa pra você. Ela fica, seu semblante, as lembranças, tudo fica. E por mais que você viva outras experiências e ouça mais mil vezes a frase "não quero compromisso", a pessoa ainda está lá, no fundo, adormecida em você. Uma dor que desponta quando você está de TPM ou vendo um filme drama, ou ouvindo músicas que te levem até aquele lugar no passado, ainda com a pessoa. Uma dor que parece que vai te matar, mas aí você reage por um tempo, vive, trabalha, sorri, ri, se diverte, sai, vai a Igreja, ora, mas volta e meia, esse disfarce todo cede novamente à dor. A dor pura da rejeição. A dor que murcha o teu semblante, te rouba o sorriso, a vontade de viver. Ai vem a comparação com a vida alheia, porque Fulano tá namorando, Ciclano foi para Londres, Beltrano nasceu em berço de ouro e você, nada. Está simplesmente parado em um tempo inexistente, um tempo que você inventou porque dói demais sair dele e seguir em frente sem ele(a). E aí vem os questionamentos eternamente sem resposta:

 - por que tem que ser assim?
 - por que comigo?
 - o que fiz de errado?
 - sou tão feia(o)/chata(o)/burra(o)/pobre assim?
 - por que ele(a) me disse que não queria nada sério e logo depois arrumou um(a) namorado(a)??

O último questionamento, sobretudo, me assombra. Me sinto no tempo da adolescência ainda: colocando aparelho nos dentes - semana que vem é a parte de baixo -, ficando daqui e dali, aprendendo a andar de salto e me maquiar, tocar um instrumento, se apaixonando sempre pela pessoa errada, etc etc. Comportamento adolescente, mas ao mesmo tempo, me sentindo tão velha pra tudo, tão cansada, tão desanimada, como se já tivesse vivido metade da minha vida, e não estou longe disso. Metade da vida sonhando com um amor, uma viagem e um livro. Metade da metade da vida tendo amores nunca correspondidos, preparando tudo pra uma viagem que não aconteceu e montando um livro nunca publicado. Tudo até hoje foi tentativa e frustração, salvo minha graduação, graças ao bom Deus.

Dói mesmo é saber que você é passado inexistente no presente, e ele, ainda tão presente no seu agora... Ai, vai, vai-te embora sombra do passado! Desata-me por favor! Não sei mais o que fazer e mando ainda mensagens inúteis, vivo de pensamentos malditos... oq eu fazer? dormir e deixar pra lá, é o que tenho procurado fazer, mas a dor está latente e dói, dói, dói...

.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fase do não

Lídia tem me dito muito não ultimamente. E haja paciência para lidar com isso! Uma mulher que trabalha, tem casa, marido e uma filhinha pequena realmente tem problemas com ser paciente. Tudo que envolve ser uma boa mãe fica ameaçado quando não se pode dedicar-se à criança integralmente. E toda mãe tem, de dois, um dos sonhos: poder dedicar-se integralmente ao seu rebento ou sair para trabalhar sem sentir-se culpada. O primeiro ainda é possível de conseguir para algumas afortunadas; já o segundo... Bem vinda ao mundo da maternidade!

Bom, os nãos da Lídia só não são mais problemáticos porque sua alegria impera e nos contagia. Ainda bem que já estou de "férias" (duas semaninhas de julho) e posso acompanhar melhor a pequena com toda sua cantoria, obra da escolinha e dos videos da galinha pintadinha. Além da galinácea, no menu temos Peppa Pig, O show da Luna, Mundo Disney e por aí vai. Na festa da família na escolinha, a professora bem que tentou fazer os pequenos falarem os ver…

Personas

O top virou peça de dormir. O shortinho de academia, bem, uso em casa mesmo. A disposição pra levantar de manhã cedo e ir caminhar depois de colocar a filhotinha na van se foi, preciso dormir mais, obra do cansaço. Qualquer roupa tá bom. Me arrumar? Quando dá. Se der, deu, se não der, paciência.

Em pleno dia do rock, o dia foi pauleira mesmo. Muita prova de recuperação, aluno enchendo por causa de pontos, ter que manter a todo custo o aluno em sala de aula fazendo alguma coisa, ufs! Conselho de classe e entrega de notas foram pra agosto, thanks God! Mas o dia deixou suas marcas. Uma forte dor de cabeça me tomou desde cedo, tomei um remédio - sim, automediquei-me - e passou, mas me deixou um tanto ligada o comprimido marrom que contém cafeína.

Não tenho tempo para mim, mas tento. Estou fazendo um curso online de musicoterapia e a música é minha melhor terapia. canto mal, mas espanta mesmo os males! Não é fácil conciliar todas as personas: mulher, mãe, professora, esposa, dona de casa,…

Primeira postagem 2016

Nem me dei conta de que hoje foi sábado. Os dias aqui, para mim, passam como se fosse uma coisa só: todo dia, "nada" pra fazer - ócio criativo, talvez, apesar de que não tenho criado nada. Mas tenho visto e lido de um tudo: muitos filmes (Império, Transcendence, Mad Max, etc) e alguns livros (Conto de Natal, de Charles Dickens e sobretudo a Bíblia). Ganhei a Bíblia da Mulher e tenho me alimentado bem dela.
esqueci de pegar foto no face
Viajar pra casa dos pais é voltar ao passado infantil. É bom e mau ao mesmo tempo, nos deparamos sempre com algumas mágoas, algumas falhas, alguns concertos. Certas relações a gente não entende porque é do outro; briga, chora, grita, se enraivece e, por fim - maturidade! - aceita e toca o barco.
Tem chovido bem em Sampa. Hoje a água caiu mesmo. Minha mãe e irmã viajaram pra Goiás. E eu cá estou com a minha moreninha, esperando a boa vontade do governo estadual pra voltar pra Bh. Na verdade faremos uma ponte Viçosa-BH. É bom viajar a sós, só co…