Pular para o conteúdo principal

Vontades


Don't ask me 
what you know is true
don't have to tell you
I love your precious heart

I, I was standing
you were there
two worlds collided
and they could never tear us apart...

(Never tear us apart - INXS)

Lembrei dele de repente, nem sei.. fico ouvindo essa música o tempo todo, lembro da inocência do nosso relacionamento... ou da falta de malícia dele, em bom ou mau sentido, não importa. Faz tempo...

Conheci-o meio despretensiosamente, de um jeito torto: ele seria meu aluno de inglês, mas não chegou a sê-lo. Foi lá saber do curso, conversamos, e eu, como não sei não-seduzir, acabei caindo em suas graças. Ele fumava e eu achava lindo, sempre fui daquelas que acham o ato de fumar extremamente charmoso, apesar dos malefícios. Fumava o cigarro do mais vagabundo, é verdade, mas fumava do jeito dele, sem tanto charme, mas com vontade. Ele ia em casa e sentava-se no chão, queria ver televisão quando eu queria dormir, queria conversar quando eu queria amar. Me abraçou no dia do nosso primeiro beijo, estava frio, muito frio... Quando o tempo tá assim, como agora, lembro dele: lembro de São Paulo, infância, lembro de Petrópolis, lembro dele.

Ontem fiz coisas estranhas, e concluí que minha sinusite é nervosa, estou começando a nervosear: comprei uma barra de chocolate meio amargo, sendo que amo o branco, senti vontade de beber e fumar. Fui à padaria à noite e além dos pães, comprei um cigarro avulso. Gosto extremamente ruim, e não sei fumar, mas consumi-o todo. Um estranha vontade me acometia, e ainda me acomete hoje. Vamos ver qual a estranha vontade que realizarei mais tarde...

O tempo está deslumbrante pra mim, lindo. Dá um enorme preguiça, vonatde de ver filmes o dia inteiro comendo pipoca e chocolate, tomar chocolate ou café bem quentes - ôh sinusite! - mas a vista é extremamente bela: aquela chuvinha chata que embaça a vista, deixando uma nuvenzinha-fumaça entre o céu e a terra, um frio que entra pela roupa procurando a nossa pele, só pra gente procurar outra pele pra se aquecer. 

Acho que já detectei a estranha vontade de hoje, que incluiria comprar uma bolsa maravilhosa que vi outro dia, e também algumas roupas e renovar os acessórios: quero ser linda. Isso implica, além das compras citadas, atitudes que não fazem parte de mim, mas bem que gostaria que fizessem: tem coisas que estão aquém de nós e não é possível alcançar, simplesmente porque não são pra nós. Essa vontade não é pra hoje, é longo prazo...

Adorei o cd que ganhei lá no baile soul, última vez que saí. Arrasei: ganhei esse cd por ser um dos melhores figurinos da noite! Havia dançarinos profissionais e tudo foi muito soul! É assim que me disfarço: um figurino a caráter e posso ser quem quiser, o que quiser. Tudo pra não me encarar de fato. Good Wednesday!!

...

Comentários

Rodolfo Xavier disse…
Ficou tão profundo e tão bem escrito... :)
Pior que tem dias desses mesmo... na verdade, não sei se pior ou melhor... rsrs Mas no fundo, é bom porque faz a gente se sentir mais humano, sei lá, faz saber que; se está relembrando uma pessoa e sentindo saudade é porque foi bom e verdadeiro. enfim... ;)
Rebeca disse…
pois eh Rodolfo... um dia frio, um bom lugar pra ler um livro, e o pensamento lá em vc... como diz Djavan. obrigada pelo comment!

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…