Pular para o conteúdo principal

O que falta, ainda


Férias. Tenho dinheiro, mas também muitas contas a pagar. Hoje mesmo saí com 200 e foi tudo embora... Planejo ir a Petrópolis nesse fim de semana, depois semana do fazendeiro, depois um casamento, depois São Paulo. Ah, e ainda tem a possibilidade de Ouro Preto.Mandei os documentos para a avaliação de títulos, agora só aguardar.
Sinto faltas. Estou só em casa, ouvindo músicas e tudo que quero é companhia. As músicas regem algo dentro de mim que sintaxe nenhuma pode. Não sei, mas falta sempre algo. Falta tranquilidade, despojamento, coragem, mais cara de pau talvez. Isso eu tenho mas só sob efeito etílico.

Sem tv, sem net em casa, vou levando... porque eu nunca sei o que fazer? sei la... pois é... Nunca me senti tão só nessa fase da vida... parece que estou perdendo todo mundo, metendo pés pelas mãos, enfim, uma revolução gradual, cada dia é uma coisa. Parei de contabilizar o mal de cada mês, enfim estamos no meio de 2012... passou rápido. Realmente começou muito mal pra mim, mas vejo as coisas agora se estabilizando.

....

Disseram-me hoje que minha vida está resolvida, que pelo menos sei o que quero. Sei? Pelo lado profissional, posso dizer que sim: gosto de ser professora, especificamente de inglês, que é a mola que moveu toda a minha vida, desde a infãncia. Consigo ver a língua em si sem EUA e imperialismos e etc etc que há por trás do inglês. Sempre quis trabalhar com essa língua, seja dando aulas, tradução, revisão, o que for. Assim sendo, ok, estou no caminho.

Mas vejo os casais pelas ruas e digo a mim mesma que é isso que falta, ainda. Falta, sempre faltou. Todo mundo ri daquelas piadas no FB com o meme foreveralone, mas tem muita verdade e tristeza por trás das piadinhas... Mas caminhemos.

Fim de semana vou a Petrópolis, depois tem semana do fazendeiro, depois Ouro Preto, depois Sampa. estou quase desistindo de Ouro Preto, não to podendo viajar tanto, apesar do meu saldo ter aumentado considerável e misteriosamente. Coisas da vida...


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…