Pular para o conteúdo principal

Os mistérios que há

Rita, Camilo e Vilela.

Foram duas partes bastante distintas do meu dia: primeiro na igreja onde sei que Ele me viu e falou comigo. Novamente aquela sensação de que eu tinha que estar lá, hoje, de manhã, exatamente na hora mesmo que cheguei, atrasada. E odeio atrasos, mas ultimamente pra ir a certos lugares, não tenho pressa. Nem pra encontrar certas pessoas. 

Depois a decisão de almoçar na rua mesmo, e depois vir a UFV acessar a net... ai resolvi fazer hora porque o laboratório de informática ainda não abrira. Fui à livraria e me deparei com um livrinho fino com alguns contos de Machado de Assis. Abri o livro. O nome dele estava lá, não o de Machado, mas o dele, dele ainda. Não resisti, comprei o livro.

Era uma história trágica em trio: C, R e V. V casado com R, que tem um caso com C. V aniquila os dois. Tudo que senti sabendo deles juntos voltou nas partes em que se narrava o amor dos dois. Tudo que eu queria ou pretendia na minha ilusão fazer, V o fez por mim. Pensei em abrir o (segundo) texto de hoje com uma pergunta, você já pensou seriamente em matar alguém, a ponto de elaborar os primeiros passos do ato? Assustaria, mas já estou assustando com essa minha resposta afirmativa... não sei o que há. Sinto o mal fervilhando e o bem querendo ainda prevalecer e... incrível luta e nunca a senti tão forte.

Tem muitos mistérios... os mistérios que existem em maior número do que supõe nossa vã filosofia. Não sei o que será, mas não consigo esquecer, simplesmente não consigo esquecer, passar a página. Parece tão injusto eu perdoar e deixar pra lá, porque eu não fiquei bem em tudo isso. Estou bem agora, posso dizer, mas com as marcas do que foi ainda visíveis. Diria até que algumas ainda sangram, feridas. 

E tem as decisões, as muitas decisões que se precisa tomar (precisa?) baseadas nas milhares de opções que vida e pessoas nos dão ou nos obrigam: eu estaria ainda com ele, no passado, se pudesse. Eu estaria ainda com a minha cabeça fresca e crente e inocente de tudo. Eu me apaixonaria de novo, agora, nesse momento, com a mesma intensidade, se isso fosse tipo um botão turn on/off. Bom né?. Mas aí não seria a vida. Eu não estaria fria e distante e má, se pudesse. Acontece que posso, mas há o mistério, uma força; há o algo inexplicável que faz a gente fazer as coisas do jeito mesmo que fazemos. E faz as coisas acontecerem do jeito que elas acontecem mesmo; efeito borboleta, destino, A cartomante. Whatever. Bye...


Comentários

Felippe Carotta disse…
Olá, moça!

Fiquei extremamente feliz com a sua visita ao meu blog. Os elogios que fez às minhas crônicas me abraçaram e, sem dúvidas, me senti acolhido, já que as palavras acabam sendo extensões de nós mesmos. Então, sempre que quiser, me visite: o blog sou eu, de alguma forma.

Quanto a sua página, bom, a escrita é brilhante. Também gostei muito! Espero que a gente se esbarre por aí, mesmo que em palavras.

Um grande abraço,

Felippe

Postagens mais visitadas deste blog

A fase do não

Lídia tem me dito muito não ultimamente. E haja paciência para lidar com isso! Uma mulher que trabalha, tem casa, marido e uma filhinha pequena realmente tem problemas com ser paciente. Tudo que envolve ser uma boa mãe fica ameaçado quando não se pode dedicar-se à criança integralmente. E toda mãe tem, de dois, um dos sonhos: poder dedicar-se integralmente ao seu rebento ou sair para trabalhar sem sentir-se culpada. O primeiro ainda é possível de conseguir para algumas afortunadas; já o segundo... Bem vinda ao mundo da maternidade!

Bom, os nãos da Lídia só não são mais problemáticos porque sua alegria impera e nos contagia. Ainda bem que já estou de "férias" (duas semaninhas de julho) e posso acompanhar melhor a pequena com toda sua cantoria, obra da escolinha e dos videos da galinha pintadinha. Além da galinácea, no menu temos Peppa Pig, O show da Luna, Mundo Disney e por aí vai. Na festa da família na escolinha, a professora bem que tentou fazer os pequenos falarem os ver…

Personas

O top virou peça de dormir. O shortinho de academia, bem, uso em casa mesmo. A disposição pra levantar de manhã cedo e ir caminhar depois de colocar a filhotinha na van se foi, preciso dormir mais, obra do cansaço. Qualquer roupa tá bom. Me arrumar? Quando dá. Se der, deu, se não der, paciência.

Em pleno dia do rock, o dia foi pauleira mesmo. Muita prova de recuperação, aluno enchendo por causa de pontos, ter que manter a todo custo o aluno em sala de aula fazendo alguma coisa, ufs! Conselho de classe e entrega de notas foram pra agosto, thanks God! Mas o dia deixou suas marcas. Uma forte dor de cabeça me tomou desde cedo, tomei um remédio - sim, automediquei-me - e passou, mas me deixou um tanto ligada o comprimido marrom que contém cafeína.

Não tenho tempo para mim, mas tento. Estou fazendo um curso online de musicoterapia e a música é minha melhor terapia. canto mal, mas espanta mesmo os males! Não é fácil conciliar todas as personas: mulher, mãe, professora, esposa, dona de casa,…

Primeira postagem 2016

Nem me dei conta de que hoje foi sábado. Os dias aqui, para mim, passam como se fosse uma coisa só: todo dia, "nada" pra fazer - ócio criativo, talvez, apesar de que não tenho criado nada. Mas tenho visto e lido de um tudo: muitos filmes (Império, Transcendence, Mad Max, etc) e alguns livros (Conto de Natal, de Charles Dickens e sobretudo a Bíblia). Ganhei a Bíblia da Mulher e tenho me alimentado bem dela.
esqueci de pegar foto no face
Viajar pra casa dos pais é voltar ao passado infantil. É bom e mau ao mesmo tempo, nos deparamos sempre com algumas mágoas, algumas falhas, alguns concertos. Certas relações a gente não entende porque é do outro; briga, chora, grita, se enraivece e, por fim - maturidade! - aceita e toca o barco.
Tem chovido bem em Sampa. Hoje a água caiu mesmo. Minha mãe e irmã viajaram pra Goiás. E eu cá estou com a minha moreninha, esperando a boa vontade do governo estadual pra voltar pra Bh. Na verdade faremos uma ponte Viçosa-BH. É bom viajar a sós, só co…