Pular para o conteúdo principal

Associações malucas e Origens


"Everybody loves your life, but you"

(Robbie Williams - Advertising Space)

Hoje não tirei o pijama o dia todo, ouvindo rock, postando pedaços de músicas que expressavam meu estado de espírito (de porco, pra variar). Aliás, nasci pra ser porco - não porca. Assim como na atual versão da Malhação, que já vai acabar, conectados, faço associações malucas com números e nomes. No meu caso, nasci no ano do porco no calendário chinês, animal que é símbolo do meu querido Palmeiras. Amo a cor verde. Toda vez que tem sorteio para alguma festa no Sítio das Palmeiras, aqui em Viçosa, eu ganho, fato. Não sei, o universo está realmente conectado. 

Conheci um holandês com quem comentei ter assistido o filme Colombiana. Ele me presenteou com um cartaz do filme, foi embora para seu país. Logo depois conheço um colombiano. Fate? maybe...

Nasci no dia nacional da poesia, 20 de outubro. Descobri isso recentemente. Eu sou poeta e realmente não aprendi a amar, como disse a Cássia Eller. 

Eu saí daquele site de relacionamento que me trouxe o colombiano. Eu quase saí do facebook, mas mantive-o. Quase não olho orkut e raramente twitter. Msn entra automaticamente no meu note. Eu gostaria de trabalhar online, mas é bom poder ver a vida lá fora, a vida real. O holandês me mandou um email, disse que voltou à vida real. Foi apenas um sonho, ao menos para mim. Um filme também que quero ver.

Never forget where you came from... esssa crise pela qual estou passando começou ontem quando li o mail dele. Do holandês. Logo no "Oi moça" eu desabei. Cried a river. Aí então eu comecei a pensar em tudo, como sempre acontece. Mas agora nesse preciso momento, ao procurar o trailer de Colombiana, é que estou a lembrar de minhas origens. Eu nasci num lar cristão, evangélico. Eu tinha amor pela igreja, por estar lá, por ter aquela comunhão com todos, apesar de eu ser o bichinho do mato excluído. Mas de alguma forma eu estava integrada à igreja. De repente, perdi isso. O que me fez perder isso, esse amor, essa vontade de estar lá, de obedecer, de fazer tudo que mandava o figurino? De repente sinto essa vontade de novo quase me consumindo a alma, e então brigo dentro de mim, um "mim" agora que não respeita mais essa vontade, esse amor por Cristo, pela igreja, por Ele. Um "mim" que se sabota, que se propõe a reconciliação com seus valores morais e sai pra balada, e para camas alheias, e para lugares tão distantes desses velhos valores, desse amor, desse primeiro amor. 

Sim, eu quero voltar. Eu não sei como - sei, na verdade - mas preciso. Sinto fortemente essa necessidade. Mas sinto também necessidade de parar tudo e pensar, traçar um plano. Páro tudo e penso como ás vezes ou sempre meu discurso é reles reprodução do que já me falaram. Ou não? Aí penso se essa é realmente a minha opinião sobre tal e tal assunto. Todos nós fazemos isso, reproduzimos discursos alheios de fato porque torna-se a nossa opinião. E aí impera uma dúvida: eu era o antes ou o agora? Os dois, meu bem. Só mudei, mudei, só isso. E sou a mesma ainda. O mais difícil é encontrar forças para mudar ainda mais uma vez. Uma vez mais. 

Não quero curtir o momento, não sou assim. Não sou vida louca, é muita treta, é nóis. Não. Eu me habituei a isso. Não que seja ruim, realmente é legal, divertido sair com amigos, beber, beijar, etc, mas se é isso que preenche a minha vida, vou precisar disso todo dia. E isso não é possível. Não quero precisar disso. Preciso sim dos amigos, família, trabalho, diversão. Mas vamos com calma. Prioridades.

Hoje soube que Natália Klein está namorando. Tenho uma amiga que também está, aos trancos e barrancos. Outra que também está, e bem. Outro que teve um namoro fast, tipo fast food mesmo. Outra que namora há um bom tempo. Outra que parece não se preocupar com isso. Pela primeira vez, não me abalo. Só não quero ver nada, porque a felicidade a dois deve ser partilhada a dois, mas casais adoram se exibir, para a infelicidade de quem está foreveralone. Não, não quero pensar assim nem pensar nisso por hora. Aconselharam-me a ficar sozinha. Eu disse que não consigo, mas hei de conseguir. Porque quando estou só, tenho que me encarar, e tenho medo de mim. Tenho que encarar Ele também, medo. Medo de tudo. Preciso do externo, do empurrão pra ir pra frente, mas agora me vejo sem isso, tendo que ir pra frente ou andar cada vez mais pra trás por mim mesma. Aí eu choro porque acho tudo tão injusto e me vejo tão fraca, tão sensível. Não precisa muita coisa pra me fazer chorar ou sofrer. Sou daquelas almas sensíveis que parecem uma ferida eternamente aberta. Totalmente vulnerável. 

stop
a vida parou
ou foi o automóvel?

Drummond, ponto final. 

Comentários

Francy disse…
Texto excelente, Rebeca! Dizem que falar ajuda a aliviar dores emocionais, acho que a escrita tem esse poder de forma ampliada...Quem cala nem sempre consente, escreve!

Postagens mais visitadas deste blog

A fase do não

Lídia tem me dito muito não ultimamente. E haja paciência para lidar com isso! Uma mulher que trabalha, tem casa, marido e uma filhinha pequena realmente tem problemas com ser paciente. Tudo que envolve ser uma boa mãe fica ameaçado quando não se pode dedicar-se à criança integralmente. E toda mãe tem, de dois, um dos sonhos: poder dedicar-se integralmente ao seu rebento ou sair para trabalhar sem sentir-se culpada. O primeiro ainda é possível de conseguir para algumas afortunadas; já o segundo... Bem vinda ao mundo da maternidade!

Bom, os nãos da Lídia só não são mais problemáticos porque sua alegria impera e nos contagia. Ainda bem que já estou de "férias" (duas semaninhas de julho) e posso acompanhar melhor a pequena com toda sua cantoria, obra da escolinha e dos videos da galinha pintadinha. Além da galinácea, no menu temos Peppa Pig, O show da Luna, Mundo Disney e por aí vai. Na festa da família na escolinha, a professora bem que tentou fazer os pequenos falarem os ver…

Personas

O top virou peça de dormir. O shortinho de academia, bem, uso em casa mesmo. A disposição pra levantar de manhã cedo e ir caminhar depois de colocar a filhotinha na van se foi, preciso dormir mais, obra do cansaço. Qualquer roupa tá bom. Me arrumar? Quando dá. Se der, deu, se não der, paciência.

Em pleno dia do rock, o dia foi pauleira mesmo. Muita prova de recuperação, aluno enchendo por causa de pontos, ter que manter a todo custo o aluno em sala de aula fazendo alguma coisa, ufs! Conselho de classe e entrega de notas foram pra agosto, thanks God! Mas o dia deixou suas marcas. Uma forte dor de cabeça me tomou desde cedo, tomei um remédio - sim, automediquei-me - e passou, mas me deixou um tanto ligada o comprimido marrom que contém cafeína.

Não tenho tempo para mim, mas tento. Estou fazendo um curso online de musicoterapia e a música é minha melhor terapia. canto mal, mas espanta mesmo os males! Não é fácil conciliar todas as personas: mulher, mãe, professora, esposa, dona de casa,…

Primeira postagem 2016

Nem me dei conta de que hoje foi sábado. Os dias aqui, para mim, passam como se fosse uma coisa só: todo dia, "nada" pra fazer - ócio criativo, talvez, apesar de que não tenho criado nada. Mas tenho visto e lido de um tudo: muitos filmes (Império, Transcendence, Mad Max, etc) e alguns livros (Conto de Natal, de Charles Dickens e sobretudo a Bíblia). Ganhei a Bíblia da Mulher e tenho me alimentado bem dela.
esqueci de pegar foto no face
Viajar pra casa dos pais é voltar ao passado infantil. É bom e mau ao mesmo tempo, nos deparamos sempre com algumas mágoas, algumas falhas, alguns concertos. Certas relações a gente não entende porque é do outro; briga, chora, grita, se enraivece e, por fim - maturidade! - aceita e toca o barco.
Tem chovido bem em Sampa. Hoje a água caiu mesmo. Minha mãe e irmã viajaram pra Goiás. E eu cá estou com a minha moreninha, esperando a boa vontade do governo estadual pra voltar pra Bh. Na verdade faremos uma ponte Viçosa-BH. É bom viajar a sós, só co…