Pular para o conteúdo principal

Petrópolis

Eu lá em 2011. Ao fundo, a Catedral de São Pedro, belíssima

Petrópolis lembra as minhas avós (in memorian, ambas). Íamos todos, geralmente no final do ano ou quando dava, visitá-las: às vezes as duas, às vezes uma só. Lembro que uma época minha avó materna morava numa casa no meio de um escadão, e de lá dava pra ver uma grande montanha com uma grande pedra em cima, como se estivesse solta. Minha mãe me dizia qualquer coisa sobre aquela pedra cair e eu ficava horas olhando-a e imaginando se ela nos atingiria, se rolaria, se um dia ia mesmo cair e como. Tinha medo, mas excitação diante do fato, ao mesmo tempo. Minha avó não tinha paciência conosco, ao passo que minha mãe era toda amor, ainda o é. 

Minha outra avó era toda doce, alegre. Dava sempre uma risadinha gostosa de ouvir, deixava a gente livre, enfim. Contou-me uma história triste de como foi se casamento (arranjado), mas vivia rindo, orando, sempre falando de Deus de modo apaixonado. 

Petrópolis me lembra que eu tinha uma bola dos ursinhos carinhosos que deixei rolar morro abaixo um dia; que eu tinha uma elefoa de pano que minha avó materna transformou em travesseiro jamais usado, o que me trouxe grande sofrimento; que fiz a primeira série lá, não chegando a concluir; que grande parte da família de meu pai está lá; que eu nasci lá e quando lá vou, parece minha casa, parece que é meu lugar-futuro, pra onde devo voltar. Parabéns Petrópolis. Deixa eu postar antes que acabe seu dia de 168 anos, 16/03/2013. 

Bye. 

Comentários

Sofia de Buteco disse…
Minha vó materna transformou minha calça preferida em shorts; Deu-me, certa vez, uma caixa de bombons em forma de duendes, mas eu acreditava que eram duendes de verdade, para brincar - daí ela comeu dois e eu chorei eternamente.
Ja mais velha, recusou que eu passasse um período de tempo na casa dela a fim deu visitar o cara que amava, que estava doente de leucemia. Nunca a perdoei ("Nunca), porque ele morreu e não o vi mais por causa dela, e um pouco de meus pais. Quando ela morreu, esteve ao meu lado por cinco minutos, mas nao imaginei que era a sua partida, logo, nao me despedi, pensei que era uma visita de rotina ao hospital, mas ela teve um infarto. Foi minha fada madrinha na infancia; um pouco bruxa na adolescência; ja juventude, já não tinha o carinho por ela que tive a vida todo, por causa desses fatos, mas havia em nós algo que me ligava a ela....o cheiro dela era muito bom; a voz; o jeito como recebia as pessoas e a até mesmo sua falsidade, herdada por minha mãe. O modo como abdicou da vida para criar uma série de filhos que nao valem nada, mas, uma delas, deficiente mental e que lhe foi eterna companheira. Morou muito tempo no Tombo da Cachoeira, o lugar que pretendo comprar, quando velha, se meus primos me quiserem vender. Sinto tanto a falta dela que até dói. Foi uma mulher triste, e a tristeza nos confunde, mas era uma das melhores pessoas que conheci. Acho que tenho inveja por não ter tido o sangue dela. Beijos

Postagens mais visitadas deste blog

A fase do não

Lídia tem me dito muito não ultimamente. E haja paciência para lidar com isso! Uma mulher que trabalha, tem casa, marido e uma filhinha pequena realmente tem problemas com ser paciente. Tudo que envolve ser uma boa mãe fica ameaçado quando não se pode dedicar-se à criança integralmente. E toda mãe tem, de dois, um dos sonhos: poder dedicar-se integralmente ao seu rebento ou sair para trabalhar sem sentir-se culpada. O primeiro ainda é possível de conseguir para algumas afortunadas; já o segundo... Bem vinda ao mundo da maternidade!

Bom, os nãos da Lídia só não são mais problemáticos porque sua alegria impera e nos contagia. Ainda bem que já estou de "férias" (duas semaninhas de julho) e posso acompanhar melhor a pequena com toda sua cantoria, obra da escolinha e dos videos da galinha pintadinha. Além da galinácea, no menu temos Peppa Pig, O show da Luna, Mundo Disney e por aí vai. Na festa da família na escolinha, a professora bem que tentou fazer os pequenos falarem os ver…

Personas

O top virou peça de dormir. O shortinho de academia, bem, uso em casa mesmo. A disposição pra levantar de manhã cedo e ir caminhar depois de colocar a filhotinha na van se foi, preciso dormir mais, obra do cansaço. Qualquer roupa tá bom. Me arrumar? Quando dá. Se der, deu, se não der, paciência.

Em pleno dia do rock, o dia foi pauleira mesmo. Muita prova de recuperação, aluno enchendo por causa de pontos, ter que manter a todo custo o aluno em sala de aula fazendo alguma coisa, ufs! Conselho de classe e entrega de notas foram pra agosto, thanks God! Mas o dia deixou suas marcas. Uma forte dor de cabeça me tomou desde cedo, tomei um remédio - sim, automediquei-me - e passou, mas me deixou um tanto ligada o comprimido marrom que contém cafeína.

Não tenho tempo para mim, mas tento. Estou fazendo um curso online de musicoterapia e a música é minha melhor terapia. canto mal, mas espanta mesmo os males! Não é fácil conciliar todas as personas: mulher, mãe, professora, esposa, dona de casa,…

Primeira postagem 2016

Nem me dei conta de que hoje foi sábado. Os dias aqui, para mim, passam como se fosse uma coisa só: todo dia, "nada" pra fazer - ócio criativo, talvez, apesar de que não tenho criado nada. Mas tenho visto e lido de um tudo: muitos filmes (Império, Transcendence, Mad Max, etc) e alguns livros (Conto de Natal, de Charles Dickens e sobretudo a Bíblia). Ganhei a Bíblia da Mulher e tenho me alimentado bem dela.
esqueci de pegar foto no face
Viajar pra casa dos pais é voltar ao passado infantil. É bom e mau ao mesmo tempo, nos deparamos sempre com algumas mágoas, algumas falhas, alguns concertos. Certas relações a gente não entende porque é do outro; briga, chora, grita, se enraivece e, por fim - maturidade! - aceita e toca o barco.
Tem chovido bem em Sampa. Hoje a água caiu mesmo. Minha mãe e irmã viajaram pra Goiás. E eu cá estou com a minha moreninha, esperando a boa vontade do governo estadual pra voltar pra Bh. Na verdade faremos uma ponte Viçosa-BH. É bom viajar a sós, só co…