Pular para o conteúdo principal

Saga


Sempre detestei mostrar meu corpo, nunca fui de usar decotes ou roupas curtas, muitos menos mostrando barriga. Mas agora parece que a vontade de exibi-la é grande, não que eu queira mostrar sem a roupa por cima, porque não gosto de barriga de grávida. Sério. Tenho problemas com isso, nenhuma questão de vaidade mas acho estranho aquelas grávidas andando por ai com mini blusas, mostrando mesmo. Quero que vejam, que saibam, mas não quero me mostrar. Essa foto tirei em casa, só porque esse blog virou a história de my baby também. Meu umbigo sempre foi um buraco discreto, mas agora está bem aberto. A pele da barriga, principalmente abaixo do umbigo, está áspera e coça um bocado. Parei de usar o óleo de amêndoas porque ele estava causando ainda mais coceira. Meus seios aumentaram um pouco. Ele/a mexe mais à noite, quando estou deitada já. Agora essa semana começa uma nova saga para marcar novo ultrassom e nova consulta médica. Como eu já disse, estou sendo "devidamente" atendida pelo SUS, então é tudo muito demorado, devagar, muita gente, não sei se há poucos médicos realmente ou má vontade. Por mim eu iria ao médico toda semana pra saber se está tudo bem, sempre digo às pessoas que sim, tudo bem, mas não tenho certeza absoluta.
Sinto que seja menino, não sei se por influência do namorido ou se é coisa minha mesmo, um pouco dos dois talvez. Sempre quis uma menina primeiro, mas sempre tive a sensação de que teria um menino. Hoje trabalhei de manhã e, ao passar pela praça que sempre atravesso, vi uma mamãe sentada em um banco com um lindo menino nos braços, não resisti e parei, perguntei idade, nome do baby, desejei a benção de Deus para o pequenino Enzo. Só me controlei para não pedir pra pegar porque eu era uma reles desconhecida né, ia ficar estranho, e o menino dormia tadinho, era capaz de abrir o berreiro se a mãe me desse ele. Mas toquei em sua mãozinha e, num gesto automático de quase todo bebezinho, ele segurou meu dedo, mesmo dormindo. Filhotes são lindos :)
Quanto à vida, está indo como dá. Namorido e eu temos nossas dificuldades financeiras, e Viçosa não está para peixe. Eu tenho meu trabalho, graças a Deus, mas ele ainda não conseguiu se estabelecer. está terminando seu curso técnico, inscrito no enem e em um concurso público que também pensei em fazer, mas não farei por questões financeiras mesmo. Talvez fosse mais fácil eu passar e ganhar vaga porque exige-se somente o ensino fundamental. Para os que tentei até hoje, sempre passo mas nunca dentro das vagas, esse é o problema. Por enquanto vamos nos virando com meu ordenado, que é pouco mas dá. Essa parte tá dificil. Tivemos uma dificuldade por aqui esses dias e até chorei de preocupação. Não dá pra ficar assim por muito tempo com um/a filho/a a caminho. temos tido bastante amparo da família dele, mas depender dos outros é complicado também. estou tentando um chá de bebê à distância com familiares meus que moram no Rio, enviei os dados, pedi ajuda, estou no aguardo.
Um/a filho/a mineiro/a. Essa questão da naturalidade não me incomoda muito, mas o ambiente me que ele vai crescer. Namorido e eu estamos morando em um bairro médio, na verdade eu diria pobre, mas meio misturado. Meninos ouvindo funk em suas caixinhas de som pela rua, jogando bola, soltando pipa. Carinhas mais velhos também soltando pipa e arrumando suas tretas. Drogas, som alto, discussões, brigas, enfim, um bairro normal. Tenho a sensação de ter voltado a morar lá em São Paulo, lugar parecido. Morei num bairro um pouco pior, digamos. A sensação que tenho agora não é má, é de tranquilidade. Estamos bem, dormindo bem, quarto distante das janelas que dão direto pra rua. Fizemos umas compras, estamos caminhando dentro do nosso possível. 
Meus pés estão doloridos, não posso dizer que estejam inchados, acho que é cedo mesmo porque a barriga nem pesa ainda, mas tenho sentido dores neles e nas costas. Vejo bebês por toda parte e imagino como será o meu; gestação é coisa demorada. Coisa que vem sem querer nada e toma conta de tudo. Amor :)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fase do não

Lídia tem me dito muito não ultimamente. E haja paciência para lidar com isso! Uma mulher que trabalha, tem casa, marido e uma filhinha pequena realmente tem problemas com ser paciente. Tudo que envolve ser uma boa mãe fica ameaçado quando não se pode dedicar-se à criança integralmente. E toda mãe tem, de dois, um dos sonhos: poder dedicar-se integralmente ao seu rebento ou sair para trabalhar sem sentir-se culpada. O primeiro ainda é possível de conseguir para algumas afortunadas; já o segundo... Bem vinda ao mundo da maternidade!

Bom, os nãos da Lídia só não são mais problemáticos porque sua alegria impera e nos contagia. Ainda bem que já estou de "férias" (duas semaninhas de julho) e posso acompanhar melhor a pequena com toda sua cantoria, obra da escolinha e dos videos da galinha pintadinha. Além da galinácea, no menu temos Peppa Pig, O show da Luna, Mundo Disney e por aí vai. Na festa da família na escolinha, a professora bem que tentou fazer os pequenos falarem os ver…

Personas

O top virou peça de dormir. O shortinho de academia, bem, uso em casa mesmo. A disposição pra levantar de manhã cedo e ir caminhar depois de colocar a filhotinha na van se foi, preciso dormir mais, obra do cansaço. Qualquer roupa tá bom. Me arrumar? Quando dá. Se der, deu, se não der, paciência.

Em pleno dia do rock, o dia foi pauleira mesmo. Muita prova de recuperação, aluno enchendo por causa de pontos, ter que manter a todo custo o aluno em sala de aula fazendo alguma coisa, ufs! Conselho de classe e entrega de notas foram pra agosto, thanks God! Mas o dia deixou suas marcas. Uma forte dor de cabeça me tomou desde cedo, tomei um remédio - sim, automediquei-me - e passou, mas me deixou um tanto ligada o comprimido marrom que contém cafeína.

Não tenho tempo para mim, mas tento. Estou fazendo um curso online de musicoterapia e a música é minha melhor terapia. canto mal, mas espanta mesmo os males! Não é fácil conciliar todas as personas: mulher, mãe, professora, esposa, dona de casa,…

Primeira postagem 2016

Nem me dei conta de que hoje foi sábado. Os dias aqui, para mim, passam como se fosse uma coisa só: todo dia, "nada" pra fazer - ócio criativo, talvez, apesar de que não tenho criado nada. Mas tenho visto e lido de um tudo: muitos filmes (Império, Transcendence, Mad Max, etc) e alguns livros (Conto de Natal, de Charles Dickens e sobretudo a Bíblia). Ganhei a Bíblia da Mulher e tenho me alimentado bem dela.
esqueci de pegar foto no face
Viajar pra casa dos pais é voltar ao passado infantil. É bom e mau ao mesmo tempo, nos deparamos sempre com algumas mágoas, algumas falhas, alguns concertos. Certas relações a gente não entende porque é do outro; briga, chora, grita, se enraivece e, por fim - maturidade! - aceita e toca o barco.
Tem chovido bem em Sampa. Hoje a água caiu mesmo. Minha mãe e irmã viajaram pra Goiás. E eu cá estou com a minha moreninha, esperando a boa vontade do governo estadual pra voltar pra Bh. Na verdade faremos uma ponte Viçosa-BH. É bom viajar a sós, só co…